2 Mai 2011, 11:06

Texto de Redação

Praça

Sair à noite no Porto com os X-Wife

, ,

Têm disco novo e currículo que chega e sobra para serem os primeiros alvos do “questionário nocturno” da Praça. João Vieira e Rui Maia contam como costumam ser as suas noites no Porto.

X-Wife

Da esq. para a dir.: João Vieira, Fernando Sousa e Rui Maia

Em 2001, João Vieira, regressado de Londres, trouxe uma lufada de ar fresco à então pacata noite do Porto, com as suas festas Club Kitten. Depois, formou os X-Wife, com Rui Maia (também DJ e produtor de música de dança) e Fernando Sousa, que lançam, esta segunda-feira, um disco novo, “Infectious Affectional”. Com este currículo, João Vieira e Rui Maia eram perfeitos para serem os primeiros alvos do “questionário nocturno” da Praça. Falámos com eles numa tarde de sexta-feira, num café da cidade.

Onde comer

João Vieira: Para almoçar, a Casa d’Oro. Adoro as vistas e as pizas. E é um sítio onde vou há muitos anos. E, para jantar, O Buraco, que tem comida típica portuguesa a preços acessíveis. É um ambiente familiar.
Rui Maia: Sou vegetariano. Gosto d’O Buraco e, dentro dos vegetarianos, o Suribachi. O Zé Bota também é bom. E o Cafeína, mais caro.

Onde comer com amigos

JV: Se for para beber um “tintol”, gosto de restaurantes típicos portugueses. Como a Adega do Ribatejo, para comer bacalhau e beber um tinto.

Primeiros, segundos e últimos copos

JV: Vou ao Buraco jantar, estou ali na baixa, passo no Café Au Lait para beber um copo, cumprimentar os amigos que trabalham lá. Depois, sou capaz de passar no Passos Manuel e, dependendo da programação, talvez vá até ao Pitch para acabar a noite
RM: Eu vou ao Suribachi, vou ao Passos Manuel, desço mais um bocado e vou até à baixa, ao Café Au Lait. E, depois, Plano B ou Pitch.

Sair à noite sem copos

RM: Só quando estou doente.
JV: Só se estiver a antibióticos. Agora não bebo nas quantidades que bebia antigamente, mas sair à noite sem copos é mais chato.

Comer às tantas da madrugada

JV: [Confeitaria] Nandinha, sete da manhã. Na Rua Serpa Pinto. Para comer uma tosta mista, um folhado de carne, aquelas coisas que fazem mal.
RM: E uma pastelaria dos Clérigos, que abre às 6h30.

Truques para estacionar ou como sair sem carro

JV: Tento andar o máximo a pé e de metro. É difícil estacionar e os parques são caros. Já escolhi uma casa no Porto de forma a conseguir deslocar-me a pé.
RM: Vivo no Campo 24 de Agosto. Vou a pé ou de metro [para a baixa].

A melhor sala de concertos da cidade

JV: Ainda não fui ao Hard Club, acreditas?
RM: Eu já fui, vi os Cut/Copy e achei a sala excelente.
JV: Escolho a sala 2 da Casa da Música. Para concertos pequenos, o Passos Manuel e, para um certo tipo de concertos, o Plano B. Gosto de ver concertos em salas pequenas.

Passar a noite nos beijinhos

JV: Não vais para a Tendinha dos Clérigos ter uma noite romântica, mas até podes ter. Há sítios melhor que outros, mas não sou muito de clichés românticos.