Image de Três em um: fim de semana da Epifania, mercados europeus de Natal que findam e o Natal ortodoxo

Foto: FT.A

7 Jan 2018, 19:08

Texto de André Rubim Rangel

Praça

Três em um: fim de semana da Epifania, mercados europeus de Natal que findam e o Natal ortodoxo

O PORTO24 acompanhou alguns mercados de Natal e esteve, assim, em algumas cidades europeias em tempo de Advento e de Natal que termina amanhã na Igreja Católica (não tem dia fixo, varia com o calendário litúrgico anual), mas que para os Cristãos Ortodoxos culmina no dia de hoje em que celebram o seu Natal. O tempo natalício, a nível da liturgia católica, foi este ano mais curto que o habitual e soube a pouco! Pois quando a solenidade da Epifania (mais conhecida pelo ‘dia dos Reis’) – que hoje se festeja – se comemora no domingo até dia 6 de janeiro, então a festa do Batismo do Senhor (a partir da qual se inicia o tempo comum) assinala-se no domingo seguinte, e ganha-se mais uma semana de tempo de Natal. Quando assim não acontece, como este ano, em que a Epifania sucede no dia 7 (pode realizar-se ainda no dia 8, tal como no ano passado), então a festa do Batismo realiza-se na segunda feira seguinte (neste caso, amanhã) e não no domingo seguinte.

Na Europa, de sublinhar muitos mercados e em mais do que uma cidade do mesmo país, como por exemplo: Alemanha (mais de 80 mercados espalhados por muitas cidades/localidades), Áustria, Bélgica, Espanha, França, Reino Unido, Suécia e Suíça, entre outros.

Muitos destes mercados de Natal já se concluíram e poucos ainda se mantêm à corrente data para uma apressada visita (tais como: Antuérpia, Ghent, Hasselt, Durbuy, Mons, Tournai, Kortrijk e Charleroi – Bélgica; Arco, Cortina d’Ampezzo e Nápoles, na única e plenamente encantadora rua San Gregorio Armeno – Itália; Rust – Alemanha; Zagreb – Croácia; Cesky Krumlov – República Checa; Riga – Letónia; Vilnius – Lituânia; Bled – Eslovénia; Levi, até 14/01 – Finlândia; Timisoara e Brasov, até 14/01 – Roménia; Amesterdão, festival das luzes até 21/01 – Holanda).

Além de se reportar aqui um pouco aquilo que foram e que são anualmente determinados mercados de Natal mais simbólicos e carismáticos, ficam também algumas dicas para quem gosta de os visitar e planear com tempo algumas saídas a fim de conhecê-los. Nada melhor do que começar a preparar algumas escapadelas com este propósito, entre novembro e janeiro de 2019.

De referir ainda que há comunidades imigrantes em Portugal, de vários países, cuja religião que professam é a ortodoxa e, como tal, celebram hoje o Natal, de acordo com a tradição ortodoxa, seja segundo a da Igreja de Constantinopla e/ou a da Igreja Russa. Por exemplo, em Moscovo e nesse forte espírito bizantino e ortodoxo, a feira de Natal da Praça Vermelha ainda se mantém até ao final deste mês de janeiro!

“GALETTE DES ROIS”
Enfoque, ainda, para o dia de hoje – por ser da Epifania e se recorda o caminho e a adoração dos Magos do Oriente ao presépio de Jesus – para um doce tradicional proveniente da França e que já se encontra em algumas conceituadas confeitarias portuenses: o saboroso “Galette des Rois” (“Bolo de Reis”, um dos mais consumidos em terras gaulesas) e bem típico de se comer neste mesmo dia. Ora a receita é simples: uma massa  folheada redonda (ou duas) recheada com ‘frangipane’, uma massa à base de amêndoas, ovos, creme e açúcar. Portanto, na cidade Invicta, podem ser apreciadas tanto na ‘Nova Real’ (no Carvalhido) como na ‘Mademoiselle’ (na Foz), possivelmente entre outros estabelecimentos.

BRUXELAS E BRUGES, BÉLGICA
Como mercado de Natal alternativo, se assim quisermos chamar (não estando nas listas de opções dos principais mercados sugeridos por algumas operadoras e agências turísticas), de destacar na Flandres os dois mercados ocorridos em Bruges, na Market Square e na Simon Stevinplein, entre 24/11 e 2/01/2018.

Dois mercados muito interessantes numa cidade bastante interessante, em que para se deslocar duma praça à outra se passa e se para numa loja comercial muito carismática: com vários produtos de Natal e com peças para juntar/acrescentar à aldeia natalícia dos apreciadores e coleccionadores. Mesmo fora do tempo natalício, recomenda-se vivamente a visita a este lugar que encanta e que se enamora à primeira vista; está cheio de História e sublimado pela UNESCO como Património da Humanidade. Estamos perante “uma cidade impregnada de mistério medieval, de inegável exuberância e considerada desde há muitos séculos como toda uma metrópole”.

A sua bela natureza e agradável ambiente também deliciam: em que os canais de Bruges repletos de cisnes unem a cidade com o mar, em que a arte primitiva flamenca fez prosperar maravilhosas obras de arte (estando elas divulgadas pelo mundo e ao longo dos 27 museus de Bruges), e em que as doçarias aliadas à bebida tradicional (gofres, maçapão, chocolates artesanais e largas dezenas de cervejas belgas) percorrem incessantemente as ruas – casa sim, casa sim. Uma verdadeira cultura viva, ou não fosse Bruges considerada o centro do romanticismo, desde as grandiosas festas que se realizavam antigamente no palácio dos Duques de Borgonha.Porto24 - report. ARR, 'Três em um - fim de semana da Epifania, mercados europeus de Natal que findam e o Natal ortodoxo' - SUBCAP. DE BRUGES ' BÉLGICA

Naturalmente que o mercado de Natal mais prestigiante e maior do reino belga é o da capital, em Bruxelas – de carácter internacional, com a presença de stands de vários países –, com vários mercados em praças e jardins no centro da cidade, com mais de 250 chalés de madeira espalhados desde a Grand-Place, passando pela Bourse e até à Place St. Catherine, no fundo da qual se instalou uma imponente roda gigante, com 55 metros de altura. Esta “vila natalícia” da cidade denominou-se de «Prazeres de Inverno» e esteve patente entre 24/11 e 31/12/2017. Os principais países convidados deste ano foram a Mongólia, a Albânia e o Canadá. É, sem dúvida, um mercado grandioso e que nos faz inspirar graciosamente no espírito natalício, cheio de luzes, árvores de Natal, animação e diversão, artesanato, presentes, música, gastronomia e muito mais.

Um agradecimento muito especial aos apoios concedidos para esta viagem de imprensa: o Toerisme Brugge e a companhia Flibco.com.

SOFIA, BULGÁRIA
O mercado de Natal de Sofia foi curto, mas revestiu-se de grande peculiaridade e beleza. Realizou-se na praça do jardim da cidade, perto do Teatro Nacional, desde o dia 18/11 até 20/12/2017. Não faltou gelo e neve nesse período, o que fê-lo tornar num ambiente ainda mais genuíno e deslumbrante.

Com cerca de uma dúzia, ou pouco mais, de casinhas de madeira, as crianças não foram esquecidas e numa delas – de origem dinamarquesa – tiveram oficinas de trabalhos manuais à volta da temática natalícia. E teve, também, um registo solidário, de apoio a causas sociais locais numa das barraquinhas presentes. O mercado de Natal findou, mas nestes dias os búlgaros – maioritariamente ortodoxos – vivem o seu Natal com as suas tradições muito próprias.

Mas Sofia é efetivamente muito mais do que visitá-la apenas neste tempo, em que os ortodoxos enchem-se de festa na digna e majestosa catedral ortodoxa Alexander Nevsky, erigida como gratidão ao povo russo pela libertação da Bulgária à dominação otomana, dedicando-lhe o nome do legendário comandante russo, o grande príncipe Alexander Nesky. Este é um dos pontos de maior interesse turístico da capital búlgara (e não só), construída entre 1904 e 1913 na sua típica arquitetura bizantina. É a maior igreja ortodoxa deste país e acomoda cerca de 5000 pessoas (de pé, pois as igrejas ortodoxas não têm bancos como as igrejas católicas). Ou referência para a igreja paleocristã de Santa Sofia, do séc. VI.Porto24 - report. ARR, 'Três em um - fim de semana da Epifania, mercados europeus de Natal que findam e o Natal ortodoxo' - SUBCAP. DE SOFIA ' BULGARIA

As mais novas atrações turísticas de Sofia são: a Porta Oeste do Parque Arqueológico de Serdica (antiga cidadela romana, atravessada pela antiga estrada, chamada ‘Via Militaris’, e que se mantém intacta e conservada) e a Torre Triangular. A primeira, perto da catedral católica, situa-se entre as ruas George Washington, Kniaz Boris I, Pirotska e Todor Aleksandrov), ao passo que a Torre Triangular de Serdica corresponde com o espaço da galeria urbana, na Knyaginya Maria Blvd., n. 16.

Estamos diante de um país e uma capital bem interessantes de conhecer, longe de qualquer preconceito que possa ainda haver: um povo civilizado, asseado, respeitador e em grande desenvolvimento democrático e cultural, que soube quebrar com o bloco comunista em 1990, vendo-se poucos resquícios desse tempo. Um país que pertence à OTAN (desde 2004) e à UE (desde 2007) e que merece a melhor atenção do Ocidente, com o qual se tem aberto paulatinamente.

Um agradecimento muito especial aos apoios concedidos para esta viagem de imprensa: a Sofia Tourism Administration e o Hotel & Restaurant The House (Sofia).