5 Mar 2013, 11:15

Texto de Ana Isabel Pereira, com foto de Miguel Oliveira

Comes & Bebes

Sedução e pratos com nomes marotos à mesa

, ,

o Lingerie é um restaurante dedicado ao erotismo, onde sensuais empregados de mesa vestem apenas roupa interior e há striptease e ”brincadeiras no varão”.

The Lingerie Restaurant

O espaço The Lingerie Restaurant, dedicado à temática do erotismo e inspirado num negócio que Luís de Almeida viu na Austrália,  acaba de abrir no Porto.

O conceito deste espaço na Rua Gonçalo Cristóvão – em frente ao edifício do Jornal de Notícias –, que poderá conhecer da Póvoa de Varzim ou de Viseu, é o de um restaurante com animação erótica.

Se ao primeiro contacto, o ambiente aparenta ser normal – vá, se formos distraídos e não dermos pela colecção de postais e fotografias eróticas antigas na ‘sala de visitas’ do Lingerie, o wine bar –, durante as refeições, os clientes são surpreendidos por sensuais empregados de mesa – empregados e empregadas – que envergam apenas lingerie, assistem a espectáculos de striptease e são desafiados “para brincadeiras no varão”.

“Nós aqui trabalhamos pura e simplesmente o erotismo. Brincamos com o erotismo. Nada aqui choca”, assegura Luís de Almeida, de 34 anos.

Depois, há os “extras eróticos”, cuja ‘ementa’ aparece lado a lado com as cartas gastronómica e de bebidas. Os shows lésbicos (90 euros), as lap e table dances (35 e 45 euros) e as sobremesas eróticas (35 euros) acontecem à vista de todos.

Ocasionalmente, também temos shows de transformismo”, diz o responsável pelo Lingerie, acrescentando que a casa é “gay-friendly“.

Pratos e cocktails marotos

A carta do restaurante – que tem menus a 20 (sem bebidas), 30 e 40 euros – tem nomes sugestivos como “queca light” (travesseiro de legumes em massa folhada), “grelo da Maria” (lascas de bacalhau com broa) ou “mamilos rosados” (salmão grelhado, com molho Bernier e miolo de camarão). Se pedir um destes pratos por outro nome, é logo posto ‘na ordem’.

No bar, serve-se vinho – são mais de 50 as referências e na garrafeira da entrada é possível comprar vinho para levar –, cocktails com nomes marotos (entre 4,5 e 7,5 euros), bebidas brancas e petiscos (entre os 4 e os 10 euros).

“A partir do primeiro show, no nosso palco, é que as pessoas começam realmente a perceber o conceito”, diz Luís de Almeida.

Com regularidade, o Lingerie promove concursos em que desafia “os clientes mais desinibidos” a ir ao varão “fazer uma brincadeira”. Há “uma votação entre clientes” e o performer mais malandro ganha uma semana de férias no Algarve.

Pedindo à carta, conte gastar 40 euros, com prato, vinho e sobremesa. Nos menus, se fizer reserva online, poupa 5 euros. A estratégia do desconto foi a forma que a casa encontrou para evitar que as pessoas marquem e depois não apareçam.

Conceito veio da Austrália

“Abri a primeira casa depois de ter visto na Austrália um conceito destes, mas que era só para homens. Eu ajustei esse conceito” conta à Praça Luís de Almeida, que trabalhou durante alguns anos em cruzeiros e reuniu, nessa altura também, peças de colecção que agora exibe nas paredes do Lingerie.

“A ideia começou por ter franshising e chegamos a ter 4 casas abertas nesse regime”, conta o empresário, que fechou o Lingerie da Póvoa de Varzim em Fevereiro para apostar tudo no Porto, onde quer “criar uma referência como o Moulin Rouge em Paris”.

Luís de Almeida revela que “70% dos clientes [do Lingerie] são mulheres” e que o restaurante atrai “muitos casais que tentam quebrar a rotina”, mas também grupos em despedidas de solteiro(a), festas de divórcio ou jantares de negócios.

“Já tivemos umas bodas de ouro. Só uma vez, na Póvoa. Os filhos marcaram, sabiam que os pais eram muito à frente. O casal já tinha 70 e tal anos e foi ao varão brincar!”.

O Lingerie Porto abre de quarta-feira a sábado e vésperas de feriado, das 18h às 2h – o restaurante só abre às 20h30, mas ao final da tarde já pode ir ao wine bar.