20 Out 2011, 17:24

Texto de Redação, com Lusa

Coisas

Portugal Fashion exibe curtas-metragens sobre o Porto

, ,

São as 9 curtas-metragens que estão na fase final do concurso Portivity, lançado pela ANJE, para tentar captar pequenos filmes sobre criatividade no Porto.

Os 9 finalistas do concurso de curtas-metragens Portivity, lançado pela Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE) para tentar captar pequenos filmes sobre criatividade no Porto, vão ver os seus trabalhos exibidos a partir desta quinta-feira no Portugal Fashion.

Mais de uma centena de candidaturas foram apresentadas a este concurso da ANJE, uma competição multimédia integrada no Porto Show Time.

O concurso aceitava curtas-metragens com o máximo de 3 minutos, em 3 categorias diferentes: Moda, Arquitetura e Pessoas.

Cada primeiro classificado receberá 5.000 euros, enquanto os segundos e terceiros recebem 1.500, num total de 21 mil euros a distribuir pelos galardoados. A entrega dos prémios Portivity só ocorrerá em meados de Novembro, durante a Feira do Empreendedor.

Na secção de moda, intitulada “Uma atitude de moda”, foram selecionados “Gira saia” de Vasco Mendes, “Where did you sleep last night” de Fred Gomes e “Lava” de Pedro Vaz Simões, criado para a nova colecção de moda de Ricardo Andrez.

A arquitectura foi outro dos temas, sob o mote “Lugares da arquitetura”, sendo finalistas “Invicta contemporânea” de Gustavo da Luz e Daniela Silva, “Entropia” de Miguel da Santa e “Miradouro”, de Alexandra Areia, um curioso olhar sobre o miradouro excepcional que é a Torre da Cooperativa dos Pedreiros.

Na terceira secção dedicada às pessoas, com o tema “Cidade com vida”, ficaram os filmes  “Non linear memories”, de Bruno Reis Costa, “People are people”, de Marco Freire e João Costa, e “Uma cidade chamada Porto”,  de Victor Santos, que em 3 minutos retrata as 24 horas da vida da cidade.

A ideia da ANJE é que estes filmes ajudem a retratar “uma cidade repleta de projectos e espaços, onde a arte, o design, a tecnologia e o negócio se fundem de um modo inovador”, afirma, em comunicado.

O objectivo final confessado é que os vídeos distribuídos em redes sociais acabem por se transformar em vídeos virais que difundam “as boas ideias e o rasgo criativo da região Norte, num registo inspirador”, que possa provocar “um movimento de criatividade e inovação”.