Image de PortoCartoon faz 20 anos e cria escola de humor

Foto: DR

19 Dez 2017, 17:25

Texto de Redação, com Lusa

Praça

PortoCartoon faz 20 anos e cria escola de humor

,

Limpar o Planeta é o tema da 20.ª edição do PortoCartoon World Festival e do PortoCartoon Juvenil, um novo concurso para apoiar a criação de uma “escola de humor portuguesa”, anunciou esta terça-feira o Museu Nacional da Imprensa.

“O tema central é Limpar o Planeta, porque é um tema fraturante a nível mundial, com o problema da água, da poluição, dos oceanos, mas também dos paraísos fiscais”, explicou à Agência Lusa o diretor do Museu Nacional da Imprensa, Luís Humberto Marcos.

Para 2018, o Museu Nacional da Imprensa destacou o PortoCartoon Juvenil, um novo concurso destinado a estudantes dos 15 aos 25 anos, que visa promover a reflexão humorística e a expressão caricatural da sociedade, com o intuito de começar trabalhar numa verdadeira “escola de humor portuguesa”, avançou Luís Humberto Marcos.

“Sentimos a necessidade de lançar o PortoCartoon Juvenil, porque precisamos estimular os novos artistas que estão nas escolas a interpretarem a realidade e estimular também os professores de Educação Visual e das Artes para desenvolverem o humor com os alunos através da arte”, acrescentou.

A grande intenção do Museu Nacional da Imprensa é conseguir “criar uma escola de humor portuguesa a partir destas raízes”, desvenda, observando que a “consciência democrática passa pelo humor”.

O novo concurso vai decorrer entre esta quarta-feira e o dia 28 de fevereiro de 2018, data final para a entrega dos trabalhos, que podem ser em papel ou peças escultóricas.

O 1º prémio é de 500 euros, enquanto o segundo classificado receberá 200 euros e o terceiro 100. Todos os premiados recebem também livros. Está previsto também o Prémio Escola, para trabalhos de turma, cujo vencedor ganha material escolar.

Para celebrar a 20ª edição do PortoCartoon, o Museu Nacional da Imprensa também anunciou que, para a secção de caricaturas, foram escolhidas as figuras da fadista Amália Rodrigues e do realizador Woody Allen.

“Todos os anos escolhemos duas figuras emblemáticas, uma figura nacional e outra internacional”, explicou o diretor daquela instituição, referindo que a escolha nacional recaiu sobre uma “figura icónica da música portuguesa”, enquanto a escolha internacional foi para um cineasta e ator com uma “personalidade que inquieta e leva a grandes reflexões sobre a vida”.

O convite à participação é lançado aos cartunistas de todo o mundo.