13 Ago 2013, 11:03

Texto de Ana Isabel Pereira

Comes & Bebes

Os hambúrgueres por que os gulosos fazem fila

,

A hamburgueria tradicional Munchie abriu há um mês na Praça D. Filipa de Lencastre, a pensar em quem tem desejos de comer um snack fora de horas, e já é um sucesso.

Hambúrguer do Munchie

Fotos: AIP

As filas que se formam à porta do Munchie chamam a atenção para o que se confecciona no número 183 da Praça D. Filipa de Lencastre.

A hamburgueria tradicional, que abriu há um mês na baixa, no coração da movida nocturna – e diurna, diga-se de passagem – da cidade, e nasceu a pensar em quem tem desejos de comer um snack fora de horas – “ter ‘munchies’ é uma fome fora de horas” em ou depois de uma daqueles noites de excessos…, explicam os responsáveis –, já é um sucesso.

Porquê? Hipótese A: Porque a comida – os hambúrgueres, claro, mas também os acompanhamentos, como a batata frita às rodelas, ou as sobremesas – é deliciosa. Hipótese B: Porque o atendimento é simpático. Hipótese C: Porque os preços são justos. Hipótese D: Porque toda a gente fala no Munchie e quem não fala quer saber o porquê de tanto ‘fuzué’. Hipótese E: Porque está aberto todos os dias, com a cozinha a funcionar em contínuo, das 12h às 2h.A Praça responderia: “Por todas estas razões”.

O espaço é pequenino e está sempre lotado, mas a Praça passou por lá no domingo para um almoço-lanche numa tarde sem regras e conseguiu mesa menos de 5 minutos depois de chegar ao Munchie.

“Ao almoço, é complicado porque vem muita gente ao mesmo tempo, entre a uma e as 2 [da tarde]”, mas no último mês já houve noites de “loucura”, conta à Praça, Pedro Moura Bessa, um dos sócios. “Temos poucos lugares, mas a ideia era mesmo essa. As pessoas em Portugal é que ainda não estão habituadas a comer na rua”, refere o responsável.

Com 23 anos, Pedro Moura Bessa é também o chefe de cozinha deste novo ‘estaminé’. Congelou a matrícula em Direito para se dedicar à cozinha, uma paixão de “sempre”, tendo passado pelos restaurantes Horta dos Reis e Casa de Pasto da Palmeira, onde conheceu Pedro Santos, o outro sócio do Munchie, que o desafiou a abrir uma hamburgueria na baixa do Porto.

“Os hambúrgueres estão associados àquela comida má, mas, aqui, nós preocupamo-nos bastante com a qualidade da carne e temos entregas diárias de legumes ou de 2 em 2 dias”, refere Pedro Moura Bessa.

Munchie

No interior, só há 3 bancos ao balcão e uma mesa para 4.

Os “7 Picados Mortais” (custam entre 5 e 6,9, vêm com 140 gramas de carne de vaca – só um é de frango – e trazem a tal batata frita às rodelas) são a atracção principal da carta do Munchie. A hamburgueria também serve os básicos e menus do dia (5 euros), do pirralho (5 euros) e night (4,9 euros), que incluem acompanhamentos, bebida e, nos 2 primeiros, café e sobremesa, respectivamente.

O “Orgulho” (carne de vaca com salcicha e linguiça fresca, cogumelos confitados, cebola caramelizada, alface e camembert) é o hambúrguer “preferido” de Moura Bessa, que inicialmente pensou em ter na carta “12 a 14 hambúrgueres” – quando “a pessoa que fez o design” do Munchie se lembrou de fazer um trocadilho com o título do filme que catapultou para a fama Brad Pitt, o dilema ficou resolvido.

O hambúrguer mais pedido é, precisamente, a escolha de Pedro, a par do “Gula” (carne de vaca recheada com cheddar, alface, tomate e bacon). “O ‘Ganância’ [com carne de vaca, tomate grelhado, alface, mozzarella e pesto] também sai muito. As meninas pedem mais esse, talvez porque é mais simples e não é tão pesado”.

O “Preguiça” é daquelas refeições que deixam os comensais mais vagarosos. Efeitos do molho barbecue, que acompanha a carne de vaca, a alface, a cebola e a curgete grelhadas, o cheddar e o bacon. O “Ira” é picante (leva carne de vaca, alface, cebola roxa, chili, tomate, cheddar e limiano) e o “Avareza” leva frango e “é mais barato”.

Esplanada do Munchie

Para além da esplanada voltada para a praça, o Munchie tem um agradável pátio interior.

A Luxúria leva carne de vaca, alheira frita, espinafres, ovo e queijo limiano. E é um dos motivos por que a Praça há-de voltar, em breve, ao Munchie.

No futuro, os hambúrgueres que ‘ilustram’ os 7 pecados capitais “podem mudar”, admite Pedro Moura Bessa. Na carta, não há opção vegetariana, mas ‘a pedido de muitas famílias’ Pedro vai confeccionando o hambúrguer vegetariano que, na próxima oportunidade, encontrará o seu lugar no menu.

Os wraps de frango (5,4 euros) e salmão (5,9 euros) completam o menu disponível. A sobremesa é “o que houver” e o que há são “sobremesas americanizadas” que “têm a ver com o universo dos hambúrgueres”. Pode encontrar no Munchie “brownies de chocolate, tartes de Snickers ou muffins de Mars ou de Óreo com manteiga de amendoim”.

Já sabe por que fazem as pessoas fila à porta do novo negócio da Praça D. Filipa de Lencastre?

Se conhecia o Munchie, deve estar a pensar “E no Inverno, como é eles vão fazer?!” Nós perguntamos o mesmo e podemos adiantar é que os responsáveis da casa estão “a estudar soluções” para a estação fria.

 

  1. Sandra Semblano says:

    Lamento a inexistência de opções vegetarianas.
    Fica como opção para Só para sobremesas.

    • Ricardo Cardoso says:

      Não sou vegetariano mas o melhor hamburguer que já comi era vegetariano por isso não há desculpas para não ter uma opção vegetariana, ou mesmo vegan no menu 😉
      Quem precisa de estar sentado para comer um hamburguer? se forem bons o inverno até vai correr melhor 😉

  2. Os “7 Picados Mortais” (custam entre 5 e 6,9, vêm com 140 gramas de carne de vaca – só um é de frango – e trazem a tal batata frita às rodelas) são a atracção principal da carta do Munchie. A hamburgueria também serve os básicos e menus do dia (5 euros), do pirralho (5 euros) e night (4,9 euros), que incluem acompanhamentos, bebida e, nos 2 primeiros, café e sobremesa, respectivamente.

  3. José Nogueira says:

    Não há hamburgers, nem cachorros, nem bifanas, nem francesinhas vegetarianas. Pratos vegetarianos é outra coisa. Têm outros nomes. São feitos de vegetais e não de proteina animal. É uma verdade do senhor de La Palisse. Opções vegetarianas podem ser encontradas em restaurantes…vegetarianos (duh!) ou em restaurantes (como o Essência) que servem pratos vegetarianos e não-vegetarianos.

  4. Marisa Castro says:

    Muito mau atendimento. Fiquei desiludida! Demoraram imenso a fazer os hamburgueres e passou imensa gente à nossa frente, sabe-se lá como.

  5. Decepção says:

    Batatas fritas com demasiado sal. Supostamente, abrem ao público às 12h, mas eram 12h20 e ainda não estavam abertos. Abriram por fim às 12h45, mas ainda não tinham a cozinha totalmente pronta. Ao fazer o pedido, foi-me informado que não havia espinafres. Fui o primeiro cliente do dia, e ainda não tinham os ingredientes. Enquanto comia a minha refeição, estacionaram dois carros, literalmente ao meu lado (falta de educação e consideração), com as compras do dia, incluindo os meus espinafres, comprados de loja (Vitacress), não sendo frescos.