1 Dez 2012, 10:46

Texto de Ana Isabel Pereira

Ideias

O lado “absurdo” da vida tem fãs

, , ,

O projecto INCOMUN nasceu para divulgar informação positiva, a pensar em quem ”aprecia o lado nonsense da vida”. Depois do clube de fãs, surge a loja virtual.

INCOMUN Store

A INCOMUN Store surgiu em.

O projecto INCOMUN nasceu para divulgar informação positiva, a pensar em quem “aprecia o lado nonsense da vida”. Primeiro foi o clube de fãs. Em Junho, surgiu a loja online.

A INCOMUN Store “surge da possibilidade de rentabilizar o projecto” , de forma “autónoma” embora partilhando os princípios que estiveram na origem da comunidade, e “vende serviços, como sejam terapias do riso ou geobags aventura”, e produtos feitos à mão de artistas que criam em exclusivo para a INCOMUN. Os preços começam nos 5 euros.

“O INCOMUN foi criado por mim, em Junho de 2011, com intuito de se afirmar como uma página com conteúdos (próprios e de outros autores) positivos, que interessem a uma tribo de pessoas que aprecia o lado nonsense e INCOMUN da vida, saudosistas mas sempre de olhos postos no futuro”, explica à Praça a mentora do projecto, Ana Sofia Gomes.

Ana Sofia, 38 anos, fundou e é directora-geral da Comunicarte, e o projecto INCOMUN nasceu precisamente sob a alçada desta agência de comunicação do Porto.

“Tem um espaço reservado para apoio de novas talentos e causas nobres, sejam de cariz social, humanitário, animal ou musical”, conta a comunicadora.

A comunidade INCOMUN organiza flashmobs em que os fãs desatam a dar abraços, decidiu que o projecto teria um Dia Mundial, assinalado a 20 de Julho, e escreve o manifesto do clube em conjunto.

“Estava, assim, encontrado o posicionamento e, a partir daqui, entendemos agora evoluir para a comercialização da marca INCOMUN, através de uma loja online“.

A Pop Up virtual Christmas a exposição e venda de Natal da INCOMUN. Reúne peças únicas, feitas à mão e de autor. Para quem faz questão de oferecer um presente fora do comum, claro está.

Recuperar tradições

Ana Sofia Gomes

Ana Sofia Gomes. Foto: DR

Ana Sofia quer consolidar a marca, fortalecer a ligação aos criadores que colaboram com o projecto e “fidelizar as pessoas em torno do universo INCOMUN”.

“Em termos de venda, queremos reforçar as vendas através da presença em algumas plataformas de venda online – como seja o Etsy –, mas também crescer realmente através da venda em lojas de autor”.

A Porta Verde, em Aveiro, e a Amor de Galo, em Gaia, são os primeiros locais onde a marca está disponível.

“Queremos recuperar tradições, evidenciar o vintage com um toque contemporâneo, e nesta perspectiva estamos diariamente em contacto com potenciais ‘fornecedores’. Pessoas com um trabalho já desenvolvido que aceitem o convite para fazer uma colecção INCOMUN de 5 ou 6 peças”.

Da “bolsa” de artistas INCOMUN fazem parte criadores com perfis, idades, geografias e escolas diferentes.

“Temos pessoas já com marca criada e outras que nem por isso”.

“A dinâmica comercial é simples, efectivamos a compra mediante a venda das peças e assumimos todas as questões de expediação”, explica Ana Sofia, que pede aos artistas interessados  que manifesta a sua disponibilidade através do email info@incomunstore.com.