Image de Na Essência do Vinho pode provar vinhos de 3 e de 100 euros

O M.O.B., o espumante de Moscatel da Adega de Favaios e o Robustos 2009 da Niepoort são algumas das nossas sugestões. Fotos: Miguel Oliveira

Imagem de Na Essência do Vinho pode provar vinhos de 3 e de 100 euros
Imagem de Na Essência do Vinho pode provar vinhos de 3 e de 100 euros

1 Mar 2014, 12:43

Texto de Ana Luísa Oliveira, com fotos de Miguel Oliveira

Praça

Na Essência do Vinho pode provar vinhos de 3 e de 100 euros

,

Vinhos da Madeira do século XX, moscatéis raros, vinhos para a “Copa”e uma nova cerveja artesanal com sabores da Escócia. Tudo isto e muito mais para provar até domingo, no Palácio da Bolsa, com uma oferta de mais de 3 mil vinhos. A edição deste ano promete superar as expectativas, ultrapassando o recorde do ano passado de 23 mil visitantes.

Com mais de 3 mil vinhos à escolha, de 350 produtores nacionais e estrangeiros, a escolha torna-se difícil. Não vai ter tempo para provar todos os produtos em mostra até domingo, por isso, a Praça deixa-lhe aqui algumas sugestões para desfrutar de um dos maiores certames de vinho europeu.

Comecemos pelas novidades da 11.ª edição. A Super Bock Selecção 1927 – Scotish Smoked Lager é uma nova cerveja artesanal, com influência escocesa. Este sábado, às 20h, no Salão Nobre do Palácio da Bolsa, a mestre cervejeira da Unicer, Beatriz Carvalho, vai juntar-e ao chefe Miguel Laffan, do restaurante L’And, com uma estrela Michelin, para confeccionar tentadoras criações que harmonizem com esta cerveja, lançada numa edição exclusiva e limitada a 5 mil garrafas.

A Essência do Vinho é o teste de mercado de novos produtores e novos vinhos. No primeiro piso, não deixe de passar pelo stand Mister Wine e provar o Cais da Ribeira, o Vinha do Pastor ou o Eléctrico, 3 gamas novas agora lançadas no mercado que têm em comum um elemento tradicional das regiões onde são produzidos e com um boa relação qualidade/preço ( entre os 4,99 e 9,95 euros).

A Quinta do Barco, que já produz desde 2003 mas está num processo de reestruturação, é uma estreia no evento. A marca, detida pelo grupo têxtil Flor da Moda, que tem também a confecção Ana Sousa, aumentou a produção em mais de o dobro, para 5 hectares de vinha na região de Barcelos, uma das maiores exportadoras de Vinho do Porto e de Vinhos Verdes, afirma João Sousa, administrador da Flor de Moda. A grande novidade, diz, é um rosé «original» com Vinhão e Arinto.

Ainda na região dos Vinhos Verdes, a Casa das Fontes, um projecto de família que vai já na quinta geração, também está pela primeira vez no Palácio da Bolsa. Apresenta a sua gama de vinhos brancos, rosés e espumantes, entre os 3 e os 4 euros. César Fontes explicou à Praça que o objectivo é entrar no mercado nacional, numa primeira fase na região do Porto e, mais tarde, em todo o território nacional. A marca, que até agora se dedicou à exportação para o Brasil dos vinhos produzidos na zona de Castelo de Paiva, quer conquistar Portugal, com uma pequena produção de cerca de 20 mil litros/ano.

Da conhecida Quinta da Passarela, da região do Dão, chega o Descoberta Branco 2013, a ser lançado no próximo mês, e o Brazileiro 2013 (4,50 euros). A Herdade da Malhadinha também se apresenta, este ano, com várias novidades no catálogo: Pesseguina Rosé 2012, Verdelho, Antão Vaz, Euphoria Branco e Rosé, Convento do Paraíso e Imprevisto Tinto 2009 (entre os 5 os 9,5 euros).

A Quinta de La Rosa surpreende os consumidores com o vinho Quinta do Corujão (8/9 euros), da região do Dão, o Poeira Branco 2012 (18 euros) e o M.O.B., este último uma nova produção do Douro por 3 enólogos (20 euros).

A Adega de Favaios inova com um sparkling bruto e meio seco, 100% Moscatel, que custa a módica quantia de 5 euros. A edição de lançamento tem apenas 10 mil garrafas.

A escolha do enólogo

Estas são as novidades, mas há outros vinhos que vai querer provar na 11.ª edição da Essência do Vinho. Pedimos a Constantino Ramos, mestrando em Enologia, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, e autor do blogue Invinovcredo, que sugerisse vinhos imperdíveis.

O jovem enólogo de 30 anos começa por sugerir uma prova seleccionada, ou seja, só de brancos ou tintos, alentejanos ou do Douro, aconselhando ao uso das cuspideiras. Caso contrário, “tudo vai saber ao mesmo”, diz.

Depois de uma passagem pela feira, Constantino Ramos elegeu o seu Top 10. Nos tintos, sustenta, é obrigatório provar os vinhos das quintas Alves de Sousa (Memórias, um blend dos melhores lotes dos últimos 20 anos), Vale Meão, Vallado, Quinta do Cerrado (Encruzado 2012), Casa da Passarela (Oneologo), Julia Kemper Maias e Quinta dos Roques (Encruzado 2012).

Os vinhos verdes brancos de 2013 estão com “uma expressão aromática extraordinária”, disse à Praça, englobando nestes as principais castas – Alvarinho, Loureiro, Avesso, Azal – e Encruzado, que, na sua opinião, “pode e deve ser uma casta bandeira de Portugal com a particularidade de casar de uma maneira única com a madeira”. Nos vinhos verdes, o destaque vai para a Quinta da Lixa (Loureiro 2013), Quinta de Linhares (Loureiro, Avesso e Azal 2013), Soalheiro (allo – blend de Alvarinho com Loureiro).

Vinhos de 3 a 100 euros

Se tiver tempo faça o trabalho de casa e leve uma lista com os vinhos que gostava de provar. Muitos estão acima do orçamento do comum mortal mas a Essência é uma boa oportunidade para degustar autênticos diamantes do sector, apresentando néctares para todos os gostos e carteiras.

Das margens do Guadiana, mais concretamente da Herdade do Sobroso, chega o novo Anas Vinhas Novas 2013 (3 euros) e da Quinta do Currais outro vinho low cost, da região da Serra da Estrela, que não se pode queixar da crise e tem crescido todos os anos, exportando metade da produção.

Esperam-no desde vinhos medalhados por apenas 3 euros (Quinta do Barco Grande Escolha 2013) a vinhos para ocasiões especiais como é o caso do Robustos 2009, da Nieeport (75 euros). Se quiser abrir um pouco mais os cordões à bolsa, desça ao rés-do-chão do edifício e no stand da Quinta do Noval e experimente um Tawny Colheita 2000 ou um Vintage 2003 (acima 100). Bem, a bom rigor, para provar não paga nada. Mas, podendo, não perca a oportunidade de travar conhecimento com os produtores e de levar para casa algumas garrafas a preços mais em conta do que os praticados pelos revendedores.

Este sábado e domingo, a Essência do Vinho começa às 15h e termina às 21h.

Veja também a reportagem fotográfica dos 2 primeiros dias da Essência do Vinho.