3 Fev 2012, 19:57

Texto de Pedro Rios

Coisas

Cru, a loja que tem várias lá dentro

, , ,

O que fazem 2 criadoras, um membro dos Clã e um tradutor juntos? Abrem um espaço na Rua do Rosário onde quem manda é a criatividade.

Cru

A Praça visitou a Cru na véspera da abertura. Foto: Pedro Rios

A ideia já andava na cabeça dela há algum tempo, mas foi o espaço que apressou tudo. Quando Tânia Santos soube que o espaço anteriormente ocupado pela loja Os Suprematistas, na Rua do Rosário, no Porto, estava livre, esqueceu todas as contas prudentes e os planos de negócio que pensava fazer e lançou-se à aventura. Abre este sábado e chama-se Cru.

É uma loja e será também, em breve, um espaço de coworking e de oficinas.

A loja tem espaço para vários tipos de criadores (da roupa à decoração), mas é diferente das vizinhas do quarteirão das artes. Na Cru, os autores podem ter “a sua mini-loja”, pagando uma renda, explica Tânia. E nem precisam de estar sempre presentes: a equipa Cru trata disso.

Esta foi a forma encontrada para contornar a habitual dificuldade dos criadores em porem peças à venda em lojas sem que o preço final seja mais elevado. A Cru fica com uma margem reduzida, bem inferior à praticada nas lojas normais, garante Tânia Santos, também ela uma criadora (é responsável pelo Atelier Suma-Uma, para além de dinamizar o mercado Mini Porto Belo)

Nesta “loja colaborativa” ganham todos, diz: o criador, que vê mais peças suas a serem vendidas devido ao preço final mais baixo; o cliente, que poupa uns euros; e a própria Cru, claro. Sem ambições megalómanas: querem apenas ser uma “loja sustentável”.

Coworking a caminho

Dizíamos no início: foi o espaço que apressou tudo.

Cru

Foto: Pedro Rios

Tânia era cliente d’Os Suprematistas (uma loja de plantas) e achava que precisava de um local como aquele, com 3 zonas distintas (a loja, um espaço de coworking para profissionais criativos, que deverá abrir dentro de mês e meio, e um pátio exterior). Mas descobriu um bónus: uma cave, onde haverá 4 oficinas.

Quando soube que o espaço da Rua do Rosário ficou vago, tratou de pôr em marcha o projecto, que conta com a participação de Miguel Ferreira (músico dos Clã e dos Blind Zero), a joalheira Áurea Praga (autora da conhecida série “I’m All Ears“) e o tradutor e lojista Francisco Casaca.

A loja tem capacidade para 40 criadores, mas começa por ter 12, entre os quais o sapateiro José Machado, Áurea Praga, Leonor Zamith (que se estreia na Cru com estacionário com ilustrações para os mais novos), Joana Teodoro e Ana Modesto (roupa), Maria João dos Reis (acessórios de moda) e as peças em cartão do Oupas! Design.

Na zona de coworking, haverá espaço para computadores, mas também para máquinas de costura. Uma oficina comum permitirá trabalhos manuais.

A Cru abre ao público este sábado, às 16h, no número 211 da Rua do Rosário.