18 Ago 2013, 16:15

Texto de Ana Isabel Pereira

Comes & Bebes

Hambúrgueres de assinatura para comer sem tiques na Picaria

, ,

O chefe Nuno Inverneiro assina as iguarias da nova hamburgueria da Rua da Picaria. O Baixa Burguer serve ”hambúrgueres à portuguesa”, feitos apenas com carne de novilho.

Com paletes de madeira, foi criado um "caixote" onde é possível estar ''longe'' da movida. Fotos: Ana Isabel Pereira

O chefe Nuno Inverneiro assina as iguarias da nova hamburgueria da Rua da Picaria. Os “hambúrgueres à portuguesa” do Baixa Burguer tem assinatura, mas são para comer sem tiques. É comida de rua, para comer dentro de portas, sem tiques e sem abrir (muito, queremos dizer) os cordões à bolsa.

Armando Oliveira, 34 anos, advogado fiscalista, com “zero experiência”em restauração – “Só tenho experiência como bom garfo”, admitiu, logo no início da conversa com a Praça – resolveu abrir uma hamburgueria na baixa do Porto depois de, nas inúmeras viagens que faz pela Europa em trabalho, ter verificado que este tipo de negócio estava bem desenvolvido lá fora e na sua cidade era inexistente.

Juntou-se ao irmão, João Oliveira, esse sim, “ligado à área da restauração há 10 anos”, e abriu no final de Julho o Baixa Burguer, no número 89 da Picaria – onde antes funcionou o Teatro Art’Imagem.”O conceito é simples: comida de rua dentro de portas, com qualidade”, resume o empresário.

Os hambúrgueres são feitos com carne de novilho 100%, de forma “artesanal”, e são guarnecidos com ingredientes inusitados como o guacamole, a morcela ou o molho de goiaba.Para já, são 7, com uma opção vegetariana, custam entre 4,9 e 6,9 euros e vêm para a mesa acompanhados de batatas fritas.

No Porto, não havia, há cerca de um ano, quando começou a pensar o projecto, nenhuma hamburgueria como a que Armando se propunha abrir. Agora, há, mas o empresário acredita que há negócio para ele também – a afluência dos primeiros dias parece ser prova disso. No futuro, pensa mesmo em “ter comida no prédio todo” e em “replicar” o negócio noutros sítios. “Começou pela hamburgueria, esperemos pelo primeiro e segundo andares”, disse, em tom de brincadeira séria.

Decoração amiga do ambiente

O espaço, que tem 2 áreas distintas, foi ‘construído’ com recurso a materiais reutilizados, como as paletes de madeira que forram a área mais reservada do Baixa Burguer, e matérias inusitadas, como o “tapete moeda” que reveste as paredes das casas de banho ou a tinta com que foi pintado o chão e que vemos habitualmente nas linhas que demarcam os lugares nos parques de estacionamento.

“Quisemos introduzir todo o conceito da Rua da Picaria neste espaço. Utilizámos materiais da Rua do Almada e da Rua do Loureiro e o papel em que imprimimos o menu é ada Almeida & Neves, é aquele papel de embrulhar o bacalhau que se usava nas mercearias antigas”, explicou à Praça Armando Oliveira.

Os menus são impressos no papel que as mercearias antigas usavam para embrulhar o bacalhau.

O balcão foi uma ideia de João que, num repente feliz, foi a uma das casas da Picaria comprar 2 tábuas e, pronto, ficou feito.

Filipe Santos Marinho e Vítor Mesquita, da 560 architecture, são os arquitectos responsáveis pelos interiores do Burguer. “Tínhamos de trabalhar com um orçamento curto, daí o projecto ter sido feito com este princípio elementar de aproveitar materiais que, normalmente, teriam outro uso”, explicou o primeiro à Praça.

Com o mesmo espírito, a dupla manteve o azulejo das paredes e o cerâmico do chão, na entrada, e um armário que ali estava “desde 1950”. A zona, junto à entrada, funcionará como “pátio coberto”, já que as portas de vidro recolhem totalmente. Mais recolhido é o “caixote” que conseguiram criar com as paletes de madeira.

O Baixa Burguer encontra-se aberto em regime de soft opening durante o mês de Agosto. Funciona de segunda a sábado, das 11h30 às 2h, e ao domingo, das 18h às 2h. Em Setembro, será lançada uma limonada “que vai ser a estrela da casa”. Envolve “especiarias” e só o que conseguimos ‘arrancar’ da boca de Armando Oliveira. É passar por lá nas últimas semanas do Verão e descobrir…