28 Jun 2011, 17:22

Texto de Liliana Pinho

Praça

A nova Gesto é convidativa e promete programação ecléctica

, ,

Numa galeria mais ampla e cheia de luz, a cooperativa cultural quer trazer mais arte, livros, música e actividades à baixa do Porto. A Praça foi conhecer a casa nova da Gesto.

A Gesto tem uma nova morada, no número 107 da Rua José Falcão. Numa galeria mais ampla e cheia de luz, a cooperativa cultural quer trazer mais arte, livros, música e actividades à baixa da cidade. A Praça foi conhecer a casa nova desta instituição de utilidade pública sediada no Porto desde 22 de Janeiro de 1988.

Cooperativa Cultural Gesto destina a sua actividade à “preparação e divulgação cultural” em Portugal e  no estrangeiro. “Identidades” é o nome de um dos projectos mais conhecidos da Gesto. Estabelecido em 1996 pela Faculdade de Belas Artes, leva os artistas, a arte e a intervenção no espaço público a países como Moçambique, Brasil ou Cabo Verde.

Foi numa das reuniões do “Identidades” que Marta Ribeiro, na altura estudante de Belas Artes e actualmente membro da direcção, começou a perceber realmente o que era a Gesto, apesar de já frequentar a cooperativa desde o tempo em que esta era ainda um café na Travessa do Ferraz. Entretanto, a Gesto passou alguns anos na Cândido dos Reis.

O espaço é amplo e agradável. A loja de objectos únicos, as obras coloridas nas paredes ou as estatuetas presentes nas salas de exposição são alvo de interesse, não só de alunos de artes e pessoas ligadas à cultura, mas também de “muita gente que passa e fica muito curiosa”. Felizmente, “acabam por entrar e voltar”, diz Marta.

“Todos são bem-vindos”

E, com o novo espaço, surgem novas ideias. Esperam-se, para breve, oficinas, concertos e eventos que prometem agradar a todos. Mantenha-se atento e vá à descoberta. Não perde nada e é uma forma de fugir ao calor que faz na rua.

Entretanto, para os mais estudiosos, a Gesto oferece uma sala acolhedora no segundo andar. Decorada com velhas estantes cheios de livros e obras de arte nas paredes, é o espaço ideal para quem quiser estudar fora de casa ou inspirar-se no talento alheio.

De segunda a sábado, das 10h às 19h, a Gesto promete receber com simpatia e um ambiente irresistível. “Todos são bem-vindos”, garante Marta.

Para expor na cooperativa também não é difícil: basta enviar o currículo e o portfólio e ter alguma qualidade. O valor das peças vendidas é dividido equitativamente entre artista e instituição. Os trabalhos expostos são, normalmente, de novos artistas, mas, nem por isso, passam despercebidos.

“Quando são mais conhecidos, é mais fácil, mas temos tido algumas surpresas”, afirma Marta Ribeiro. Em altura de crise, é testar o jeito para os pincéis.