18 Mai 2012, 16:55

Texto de Maria João Brum

Praça

Há galerias e galerias. A Porto Oriental abre portas ao teatro e à poesia

, , , ,

Abriu portas há quase um ano e não se resume apenas a exposições de pintura ou de desenho. Aqui fazem-se declamações de poesia e até teatro.

Galeria Porto Oriental

A galeria fica na rua Barros Lima, 851. Fotos: MJB

Pintura, desenho, teatro e poesia. A galeria Porto Oriental respira arte e faz questão de o mostrar através das várias intervenções que têm vindo a dar outra vida ao branco que domina as paredes do espaço e à própria artéria onde se instalou (rua Barros Lima, 851).

Abriu as portas há quase um ano e, desde então, acolhe projectos ditos “multidisciplinares”, que conciliam vários domínios da arte: eventos musicais e trabalhos de multimédia são também bem-vindos.

Ana Abrantes, directora da Porto Oriental, disse à Praça que se trata de uma “intervenção artística num espaço urbano”.

O edifício é de 1904 e foi remodelado pelo arquitecto Óscar da Silva Lopes, com o principal objectivo de vir a funcionar enquanto galeria de arte. Desde a inauguração, em Julho de 2011, já expuseram aqui vários artistas, desde a pintura ao teatro, sendo que a primeira foi uma exposição de desenho da autoria de Rui Sousa, artista plástico de Valongo.

O ambiente é minimalista e inspira tranquilidade, graças ao branco das paredes, à imensa luz natural que atravessa as janelas e ao pequeno jardim, situado no andar de baixo.

Até ao final de Junho, está patente a obra “A Preto e Branco“, de Carlos dos Reis.

A galeria Porto Oriental está aberta de terça-feira a sábado, das 15h às 19h, na rua Barros Lima, 851.