8 Abr 2011, 10:12

Texto de Ana Isabel Pereira

Praça

Fotografia de cortar a respiração

, ,

A Dyspnea Magazine é uma revista digital de fotografia que nasceu de uma residência em Berlim, à boleia de fundos comunitários. O projecto é apresentado, esta sexta-feira, na Fábrica Social – Fundação José Rodrigues e a Praça falou com os participantes portugueses.

Ana Teles

Foto: Ana Teles

Um colectivo de fotógrafos polacos – Anna Pabbis e Aleks Slota – lembrou-se de juntar jovens criadores e de os pôr a experimentar com a fotografia, de os levar a romper com aquilo que já se fazia nesta área, e candidatou a ideia a fundos da União Europeia. Foi assim que nasceu a Dyspnea Magazine, a revista digital de fotografia que, esta sexta-feira, é apresentada na Fábrica Social – Fundação José Rodrigues.

O projecto do Altvis Group, intitulado .pdf Project, reuniu, em Berlim, em Outubro de 2010, 16 jovens criadores – portugueses, franceses e polacos – que, em conjunto, trocaram ideias, experiências e pensaram a Dyspnea de raíz, a começar pelo nome.

“Uma vez que o projecto queria romper com barreiras, a ideia [do nome Dyspnea] é que o impacto ao olhar para a revista fosse o de falta de ar”, explica Rita Pinheiro Braga, fotógrafa bracarense de 26 anos, a residir no Porto. Dispneia designa, precisamente, uma sensação de dificuldade para respirar.

Ana Catarina Pinheiro

Foto: Ana Catarina Pinheiro

O número zero, em que participaram também as fotógrafas Ana Catarina Pinho e Ana Teles e o designer João Loureiro – que, juntamente, com Rita, compunham a equipa portuguesa no projecto – tem como tema “The Inner Portrait of a Migrant”.

As 3 jovens fotógrafas, com quem a Praça esteve à conversa nas vésperas da inauguração da exposição na Fábrica Social (às 17h), estudaram todas no Instituto Português de Fotografia, mas não se conheciam quando foram seleccionadas para a residência fotográfica em Berlim.

“Enviamos os nossos portefólios, mas ainda não nos conhecíamos nessa altura. Depois de sermos escolhidos, conhecemos-nos todos em Berlim. Aliás, eu conheci o grupo em Berlim. Eles conheceram-se no aeroporto do Porto“, conta Ana Catarina.

Esta portuense de 27 anos recorda o trabalho na Alemanha como “um projecto muito intenso”. “Tínhamos de decidir tudo no espaço de 2 semanas”, justifica.

“A revista tinha de ser inovadora e trabalhar a fotografia experimental” e, durante 15 dias, os jovens criadores que participaram neste projecto frequentaram vários workshops e tiveram um estúdio profissional à disposição.

Rita Braga

Foto: Rita Braga

Os participantes ficaram instalados num hostel e, no espírito do conceito “youth exchange”, jantavam e tomavam o pequeno-almoço em conjunto, que cozinhavam eles próprios, e também serviram de modelos fotográficos uns aos outros.

“Para fotografar, a Catarina utilizou mais a casa, a Rita o estúdio e eu a cidade”, conta Ana Teles. O resultado pode ser visto em dyspnea-mag.com, o site onde é possível descarregar o PDF, perdão, a revista.

As jovens fotógrafas encaram a experiência como “uma mais valia no percurso profissional”, assegura Ana Catarina, para quem o projecto serviu para estimular “a criatividade e criar uma rede de contactos  a nível internacional”.

O projecto da Dyspnea Magazine vai passar por várias cidades da Europa. “A revista é anual, daí a importância de divulgar junto de jovens artistas fotógrafos e designers em início de carreira. Este projecto vai estar a aceitar candidaturas todos os anos”, refere Ana Catarina.