28 Mar 2011, 18:30

Texto de David Pinheiro Silva

Praça

Vídeo: Fomos à Praça da Liberdade experimentar a Nintendo 3DS

OK, a Nintendo 3DS chegou a Portugal e sim, faz 3D sem a necessidade de óculos especiais. Mas o que é que ficou por dizer da nova consola portátil da marca nipónica? Experimentámos a Nintendo em plena Praça da Liberdade.

OK, a Nintendo 3DS chegou a Portugal e sim, faz 3D sem a necessidade de óculos especiais. Mas o que é que ficou por dizer da nova consola portátil da marca nipónica? Fomos experimentar o brinquedo no camião que a Nintendo instalou na Praça da Liberdade.

Entre gente dos 15 aos 25 anos, pusemos as mãos na consola. E confirmámos que a sucessora da Nintendo DS é mais forte, mais rápida e mais inteligente.

Uma novidade interessante é a troca de informação entre as novas consolas sem o conhecimento do utilizador, basta que este passe por alguém que também tenha uma para os que aparelhos interajam entre si, trocando dados, pontuações, etc (na mesma linha, destaque para a nova funcionalidade spot pass, que permite actualizações e recepção de conteúdos automaticamente, em zonas com acesso à rede, sem ser necessária qualquer acção por parte do utilizador).

O lançamento da consola é acompanhado por 13 jogos capazes de aproveitar o efeito de tridimensionalidade, que pode ser ajustado ou desligado por completo, conforme as nossas preferências.

Até ao Verão, devem estar no mercado cerca de 3 dezenas de títulos para a 3DS. Os clássicos da Game Boy e da Game Gear (a resposta da Sega à consola da Nintendo nos anos 90) também vão estar disponíveis para a 3DS, isto para não falar dos jogos pré-instalados ou de realidade aumentada (cujas imagens se sobrepõem a imagens do local em que o jogador se encontra – são captadas em tempo real pela câmara traseira).

O 3D vale o preço?

Mas isto a que preço? Numa altura em que os smartphones já começam a ter lugar na indústria dos videojogos, como é que a Nintendo espera potenciar o novo sistema no mercado? Quando um jogo (“Street Fighter IV”, por exemplo) custa um décimo do preço na App Store do iPhone comparativamente ao preço de retalho do mesmo título para a 3DS, a pergunta fica: valerá a pena o investimento de 250 euros na consola?

Por agora, o 3D, aliado a uma forte campanha de marketing, parece ser a principal arma da Nintendo. Os “quiosques” da Nintendo 3DS estiveram um pouco por todas as cidades do mundo e o Porto não foi excepção.