2 Jul 2013, 11:24

Texto de Ana Isabel Pereira

Praça

Este Verão faça um piquenique nas caves da Cockburn’s

A empresa, que tem um novo espaço de provas num dos seus armazéns de vinho do Porto, tem ceiras com produtos portugueses seleccionados pela Mercearia das Flores.

Novo lodge da Cockburn's

O novo lodge da Cockburn's. Fotos: DR

A partir deste mês é possível ‘piquenicar’ nas caves da Cockburn’s. Esta empresa familiar, fundada em 1815 por Robert Cockburn, “um soldado escocês que combateu as Invasões Francesas sob o comando do Duque de Wellington”, recuperou uma zona de um dos seus armazéns de vinho do Porto em Gaia e criou um lodge com condições únicas para as provas no final das visitas às caves. E introduziu, com a ajuda da Mercearia das Flores – uma mercearia gourmet que abriu no centro histórico do Porto há quase um ano e meio –, os piqueniques, que os visitantes podem fazer à saída das visitass guiadas ou, simplesmente, porque sim.

A nova área foi construída num dos armazéns da Cockburn’s, aproveitando um mezanino que estava fechado e onde funcionaram em tempos escritórios da empresa.

A Symington Family Estates, que detém a Cockburn’s, não costuma divulgar este tipo de números, pelo que a gestora de marketing da empresa apenas disse à Praça que não se tratou de uma intervenção que exigisse um investimento avultado.

“Tendo em conta que a Cockburn’s é uma marca descontraída, apostámos em fazer uma área de provas dentro do próprio armazém, para que as pessoas pudessem provar [vinho do Porto] no meio dos balseiros”, explicou Catarina Vicente durante uma visita-piquenique para jornalistas.

A obra de recuperação do espaço dos antigos escritórios permitiu descobrir “uma estrutura de telhado muito antiga”, construída com grandes troncos de madeira, que, durante anos, esteve escondida pelos “tectos falsos”.

À vista está o “chão tradicional das caves”, em terra. “Noutras caves, para os visitantes não sujarem os sapatos, altera-se o chão. Aqui, decidimos manter o original, que serve para deitar água e repor a humidade no Verão”, explicou Catarina à medida que nos ia mostrando os cantos à casa, que é como quem diz, fazendo uma visita guiada.

Os piqueniques, no novo lodge ou no pátio exterior, à sombra de uma simpática parra, são uma forma diferente de a Cockburn’s, que em 2012 recuperou o estatuto de marca de vinho do Porto preferida no Reino Unido – principal mercado da empresa do grupo Symington –,  dar a conhecer o seu portefólio e as técnicas artesanais com que os seus vinhos do Porto são feitos.

Piquenique no novo lodge da Cockburn's

Pode pedir para fazer o piquenique no pátio das caves, à sombra de uma parra.

As cestinhas tradicionais – “ceiras”, atalha Catarina – para 2 pessoas custam 32 euros e trazem 4 fatias de pão artesanal cozido em forno de lenha, um queijo de Borba de 200 gramas – no saquinho de papel, vem uma faca de Palaçoulo para que possa cortá-lo –, presunto alentejano fatiado, batatas fritas de Trás-os-Montes, azeitonas biológicas Negrinha do Freixo, uma latinha de paté de sardinha da Luças, tomates-cereja frescos, bolachas de água e sal dos Açores, 2 mini-doces conventuais, 2 brownies de chocolate e noz, 2 copos (um por pessoa) de Altano (tinto ou branco) e 2 de Special Reserve ou 10 Years Old Tawny. Cockburn’s, claro.

Para 4, é só duplicar todos estas iguarias, que vêm embrulhadas em papel de mercearia, tal e qual aquele que as donas da Mercearia das Flores usam na Rua das Flores. O preço sai mais em conta: 60 euros.

Pode encomendar a sua cesta por telefone (ligando para o número 913 007 950) ou fazer uma visita às caves e, à entrada – dá tempo, porque, como aponta Catarina, “a visita e a prova demoram mais ou menos uma hora” –, pedir para lhe ‘prepararem’ o piquenique.

“Combinámos com a Mercearia das Flores a entrega dentro de uma hora. Os estafetas vêm de bicicleta. Não sei se viram à chegada”, continuou a gestora de marketing da Cockburn’s.

Nas caves, descobrirá as diferenças entre um Porto Ruby e um Porto Tawny, entre um Porto Late Bottled Vintage e um Porto Vintage, e alguns dos maiores segredos da produção deste espectacular néctar. As provas com direito a visita são pagas à parte e vão dos 3 aos 20 euros.

Com sorte, no percurso, ainda vê por lá o “Paul Newman” da Cockburn’s – referimo-nos ao senhor Emílio, o mestre tanoeiro que cuida dos cascos e balseiros onde o vinho do Porto da empresa envelhece.