Image de Essência do Vinho com 3.000 vinhos de 350 produtores

Fotos: Arq/Miguel Oliveira

Imagem de Essência do Vinho com 3.000 vinhos de 350 produtores
Imagem de Essência do Vinho com 3.000 vinhos de 350 produtores

26 Fev 2014, 13:53

Texto de Redação, com Lusa

Comes & Bebes

Essência do Vinho com 3.000 vinhos de 350 produtores

,

A edição deste ano da Essência do Vinho começa na quinta-feira, no Porto, reunindo “mais de 3.000 vinhos de 350 produtores” e oferecendo provas de vinhos da Madeira do século XIX e do “champanhe preferido de Charles de Gaulle”.

As provas de “vinhos raros e exclusivos” são, uma vez mais, uma das grandes apostas da organização, a cargo da empresa homónima, em parceria com a Associação Comercial do Porto, adianta um dos seus directores, Nuno Pires.

No primeiro dos 4 dias do evento são apresentados 13 vinhos do Porto Vintage 2011, que os especialistas dizem ter sido um ano excepcional, seguindo-se, 2 horas depois, uma prova de “vinhos da Madeira muito raros do século XIX”. Um desses vinhos da Madeira é um Blandy’s Verdelho de 1887. Nuno Pires explica que se verifica “um ressurgimento” dos vinhos madeirenses, cujas “exportações têm vindo a aumentar”.

Na sexta-feira, destaca-se a prova dos champanhes Drappier, que eram os “preferidos” do antigo presidente francês Charles de Gaulle, segundo realça a organização.

No sábado, é apresentada uma colecção de moscatéis de Setúbal produzidos desde 1955.

O programa antecipa o Mundial de futebol deste ano com o evento “Brasil, 12 cidades sede da Copa do Mundo, 12 vinhos, 12 receitas”, que terá lugar no último dia.

Trata-se de uma iniciativa que vai juntar “um trio brasileiro de especialistas: o crítico de vinhos Alexandre Lalas faz a selecção do que beber, a chefe de cozinha Luciana Plaas prepara os petiscos que vão a jogo e o crítico gastronómico Miguel Icassatti comenta cada momento da harmonização”.

O programa deste ano mantém a já clássica prova “Top 10 Vinhos Portugueses”, na sexta-feira, consiste na eleição, por um júri internacional, de um vinho do Porto Vintage, um branco e 8 tintos.

Na mesma cerimónia em que serão divulgados os 10 vinhos vencedores, a Câmara Municipal do Porto entregará os prémios portugueses anuais “Best of Wine Tourism”, da “Great Wine Capitals”, a rede de capitais de grandes vinhedos do mundo.

Com uma estrutura semelhante à das edições anteriores, o evento não esquece a ligação entre vinho e gastronomia e desafiou chefes, alguns com estrelas Michelin a prepararem “criações inovadoras”.

A Essência do Vinho – que os organizadores dizem a ser “a principal experiência do vinho em Portugal” – termina no domingo e mantém-se fiel ao Palácio da Bolsa.

O monumento, “com o seu glamour, oferece uma imagem positiva e de qualidade dos vinhos portugueses”, justifica Nuno Pires.

O responsável salienta que Portugal exportou “725 milhões de euros” de vinhos em 2013, o que representa um aumento de 2,4% face ao ano anterior.

“O volume diminuiu, mas o preço médio por litro aumentou 13,3 %”, assinala, referindo que o vinho português é cada vez mais sinónimo de “qualidade”.