27 Jul 2012, 18:14

Texto de Ana Isabel Pereira

Coisas

Ele dá vida nova a bicicletas antigas

,

Tiago Pereira restaura bicicletas dos anos 70, que ele compra ou que os clientes lhe levam. Órbita, Vilar, Raleigh e Triumph são algumas das marcas que ele tem.

Restauro de bicicletas "Sub 954"

Fotos: AIP

Demos com o Tiago Pereira e a namorada “Pipas” – Sofia Pinto – numa tarde solarenga de sábado, no último sábado, no Porto Belo. O que nos atraiu, na verdade, foi a bicicleta Vilar de selim e guiador à motard que eles levaram para o mercadinho da Praça Carlos Alberto. Foi numa bicla assim, mas amarela, que aprendemos a pedalar.

O mais provável é que este garageiro de 27 anos também tenha a bicicleta da sua infância. A aquisição de bicicletas para restauro – ele também as vende como as encontra, quer dizer, só com verificação de pneus, travões e tal – “começou como um hobby” e, há um ano, a ‘coisa’ ficou séria. Na despercebida oficina Sub 954 – no número 954 A da Rua Pedro Hispano –, estão à espera de dono verdadeiras relíquias.

Bicicletas dos anos 70, das marcas nacionais Órbita, Vilar, Confersil e UCAL, mas também de insígnias estrangeiras como a Motobecane, a LeJeune, a Peugeot, a Raleigh ou a Triumph.

Tiago leva mais ou menos 3 semanas a restaurar uma bicicleta antiga. Os preços? “Bicicleta antiga e restauro nunca ficam por menos de 150 euros” e há restauros que podem atingir os “300 e muitos euros”.

Se tem uma bicicleta antiga a ganhar pó na garagem, saiba que a partir de 100 euros ela pode ganhar vida nova nas mãos de Tiago Pereira.

A Sub 954 também tem bicicletas de criança antigas, artigo que interessa sobretudo aos coleccionadores – e há muitos em Portugal, assegura Tiago.

O hobby virou ‘coisa’ séria

Como é que começou? “Há cerca de 3 anos, quando estava a trabalhar no ramo imobiliário, fui mostrar um apartamento de retoma de um banco – ia fazer um orçamento de obra – e encontrei lá uma bicicleta antiga, uma Órbita Cross. Fiquei com ela, mas ainda esteve uns tempos largos na garagem lá de casa. Acabei por vendê-la, por restaurar, a um coleccionador de Santo Tirso que ainda hoje é meu cliente”.

“Sem perceber muito do meio”, Tiago começou então a procurar outras bicicletas antigas e especiais. Precisamente há um ano, surgiu a oportunidade de ocupar a garagem na zona do Carvalhido.

Na mesma altura, comprou “um lote de 100 bicicletas” a um armazém. “Eram todas diferentes e muitas estavam estragadas. Fiquei com muitas peças desse lote e essa oferta deu-me nome. As pessoas foram passando a palavra”, conta Tiago Pereira, que aos 16 anos fazia a distância entre Gaia e Aveiro numa bicicleta de montanha que alterava.

Tiago conta que, “depois de muito suar” no transporte e arrumação das 100 bicicletas, olhou para um e disse: “Isto vai para onde veio!” Foi a namorada que descobriu debaixo do pó um clássico da Raleigh.

Tiago procura preciosidades deste tipo em garagens, aldeias longe do Porto e em casas de particulares, a quem chega, por exemplo, através de uma pesquisa na Internet.

Bicicletas de montanha “funcionais”

A Sub 954 também vende bicicletas de montanha usadas – “funcionais”, descreve Tiago – a preços que variam entre os 20 e os 35 euros. “Muitas vezes, para comprar um lote, sou obrigado a comprar também bicicletas de montanha”, explica.

“Também alteramos bicicletas de montanha e fazemos single speed. Eu ofereço o quadro e a bicicleta fica por 85 euros, mais ou menos”.

Tiago Pereira vende para fora do Grande Porto – tem clientes em Braga e Leiria, por exemplo – e aos interessados costuma enviar fotografias e um relatório detalhado das condições em que as bicicletas se encontram. “As pessoas acabam sempre por vir aqui, porque gostam de ver, mas eu envio as bicicletas e as peças por correio”.

É Tiago quem monta as bicicletas, mas para a pintura e outras artes colabora com quem conhece o ofício – mas não foi nada fácil encontrar estes profissionais, diz.

  1. Jose Castanheira says:

    registei com interesse haver alguem com um sentir especial nesta iniciativa , gostaria de saber a direção

  2. seu comentário em tempos tive uma oficina de bicicletas e tenho algumas que guardei ma tens falta de restauro fico muito imformado por se dedicarem atal peças de estimaçao obrigado

  3. José Castanheira says:

    tenho 2 bicicletas para restaurar marca ” yes ” gostaria de pedir um orçamento , e qual o local das vossas instalações

  4. miguel guerrinha says:

    O seu comentário tenho uma raleigh de senhora que sempre quis restaurar, mas o desemprego bateu à porta e ela está arrumada. conhece quem a queira comprar?

  5. eduardo ferreira says:

    tenho uma raleigh bem antiga e gostaria de levar a POA para restaurar. É possível???

  6. José Lima says:

    Gostei do que li. Parece que temos o mesmo gosto pelas antigas em duas rodas.
    Já havia visto qualquer coisa a seu respeito, perdi o “apontamento”.
    Está novamente anotado, espero poder fazer uma visita em breve.
    Continuação de um bom trabalho.

  7. Luis Costa says:

    Encontrei uma bicicleta de estrada da marca orbita muito antiga talvez + de 50 anos.
    Vou ficar com a bicicleta e quero restaurar a bicicleta.
    Gostaria de saber a morada da oficina e um email de contacto para enviar umas fotos.
    Obrigado.

  8. DIOGO MIRA says:

    BOA TARDE. HERDEI UMA PASTELEIRA DA MARCA CECITA DO MEU AVÔ E TINHA MUITO GOSTO EM RESTAURÁ-LA. ELA ESTÁ EM PÉSSIMAS CONDIÇÕES (FERRUGENS ETC), POUCO DÁ PARA APROVEITAR. COMO POSSO SABER O PREÇO QUE ME PODERÁ FICAR COLOCÁ-LA COMO NOVA?! OBRIGADO E CUMPS

  9. Carlos Freitas says:

    O seu comentário Boa noite tenho uma bicicleta antiga pasteleira que gostava de saber algo mais sobre o modelo mas não encontro informação é uma Mauser Inglesa da fabrica de armas Mauser conforme o emblema da Marca está em muito bom estado. Obrigado