3 Mar 2012, 17:05

Texto de Ana Isabel Pereira

Comes & Bebes

Dançar ao som dos melhores DJ e produtores ‘tugas’

, , ,

O Auditório Club, na Rua Cândido dos Reis, 131, é um bar que aposta naquilo que de melhor se faz em Portugal e que recebe com “um sorriso e um obrigado”.

Começa a ser uma não-notícia a abertura de um bar novo na baixa do Porto, tal é a velocidade com que a ‘bolha’ vai crescendo. Mas um clube decorado com bom gosto, de entrada livre e cujo manifesto é apresentar aquilo que de melhor se faz em Portugal preenche todos os critérios para andar na boca do mundo.

O Auditório Club abre este sábado, na Rua Cândido dos Reis, 131, e é a segunda aventura da dupla Paula e Paulo Rebelo – dos da inebriante Manufaktura, na Rua das Flores. “É um bar onde se pode ouvir boa música e dançar”, ao som dos melhores DJ e produtores portugueses, cuja “aposta é naquilo que de melhor se faz em Portugal”, explica à Praça Paula Rebelo.

A ideia era oferecer “um espaço de noite com qualidade” a um público exigente. Para garantir que isso será uma realidade, Paula juntou-se, por um lado, a quem percebe destas andanças e, por outro, passou o último ano a fazer “um estudo de mercado”, indo a vários espaços na cidade e avaliando a forma como recebiam os clientes.

O gerente do Auditório é Pedro Segurado, que passou pelo Lux, em Lisboa, e, nos últimos 3 anos, pelo Plano B, e a programação musical está a cargo de Rui Trintaeum, dono do saudoso 31 e com uma residência mensal no Gare.

O DJ e produtor musical Lukkas é o ‘residente’ do Auditório. “As quintas-feiras serão sempre noites mais eclécticas, porque o Lukkas convidará DJ de outros registos que não o dele, mas sempre dentro do house e do disco“, avança à Praça Pedro Segurado.

Quanto ao restante staff, quem for ao Auditório – baptizado depois do antigo auditório do BES que ocupou –, vai encontrar, “do lado de lá do balcão, um sorriso e um obrigado”, garante Paula Rebelo.

Esculturas únicas

A decoração do espaço do Auditório, entregue ao arquitecto e professor da ESAD Ricardo Azevedo, é sóbria e marcada pela cor creme.

“Queríamos algo requintado, quente e envolvente. E queríamos fugir dos tons mais óbvios para espaços da noite”, conta Paula.

Os anjinhos, que estão suspensos por cima da pista de dança e ‘pregados’ à parede junto à entrada e ao bar principal, são obras do escultor Paulo Neves, pensadas e criadas especificamente para o novo bar da Cândido dos Reis.

“É um artista contemporâneo que tem vindo a destacar-se e que está, por exemplo, representado agora na Guimarães 2012 – Capital Europeia da Cultura”, refere a proprietária do Auditório.

No bar, os preços são acessíveis: a cerveja custa 2 euros, enquanto os licores e as bebidas de serviço andam pelos 4 e 5 euros, respectivamente. Também há vinho a copo, cocktails – Daiquiri, Margarita, Mojito e Piña Colada, entre outros – e espumante – nas ‘versões’ normal e de sabores, a manjericão, melancia ou violeta!

O Auditório vai estar aberto de terça a quinta-feira das 20h às 2h e à sexta e ao sábado até às 4h.