31 Jul 2012, 22:45

Texto de Pedro Rios

Praça

Um mapa que só está bem amarrotado

Um mapa normal dobra-se; este amarrota-se e guarda-se onde se quiser. Os mapas Crumpled City tornaram-se um objecto de culto e, agora, há um para o Porto.

Mapa Crumpled City dedicado ao Porto

Foto: DR

Quantas vezes, em férias numa cidade, à chatice de estarmos perdidos não se juntou o incómodo de não nos entendermos com o mapa? Quantas vezes o papel, dobrado em não-sabemos-quantas-vezes, não teimou já em desobedecer às nossas ordens? Ou rasgar? O designer Emanuele Pizzolorusso inventou uma solução: um mapa que está sempre amarrotado. E que é assim que é suposto estar.

Os mapas Crumpled City tornaram-se um objecto de culto (receberam o prémio Design Plus International 2012) e, agora, há um destes para o Porto – que se junta a 3 dezenas de cidades mundiais, de Nova Iorque a Hong Kong.

Como em qualquer mapa, encontramos as atracções principais da cidade (ruas, monumentos, museus, galerias de arte), mas as semelhanças acabam aí.

O mapa Crumpled City é feito em tyvek, um material sintético especial que o torna resistente à água e que faz dele o mapa mais “leve” (20 gramas) e “resistente do mercado” (garantia da sua editora, a italiana Palomar, que, para fazer o guia do Porto, se aliou à portuguesa Estrelas de Papel). Ah, e abre-se em 2 segundos.

O mapa Crumpled City dedicado ao Porto custa 12 euros.