22 Ago 2013, 15:14

Texto de Mariana Correia Pinto

Praça

Copos e Cusquices: para comer e beber, sem rococós

No número 426 da Rua do Almada há um novo espaço com bebidas e petiscos a preços que nos fazem sorrir. Para ir e ficar como se estivesse em casa.

A “loucura” da noite portuense está uns 500 metros abaixo. Alexandra Portugal e Tiago Ramos sabiam-no quando escolheram o número 426 da Rua do Almada, no Porto, para instalar o Copos e Cusquices, um espaço com bebidas e petiscos a preços que nos fazem sorrir, num local onde é preciso “mais publicidade e imaginação” para fazer o negócio funcionar.

Mas estes 2 amigos não são de virar as costas a desafios: “Não nos assusta, se é mais difícil também vai dar mais prazer”, acredita Tiago Ramos. Foi com esta atitude, de dizer sim a desafios, que o Copos e Cusquices nasceu.

Alexandra estava desempregada, Tiago, farto do emprego que tinha, despediu-se: “No dia seguinte de manhã, acordei, fui para a Internet e vi ‘anúncio inserido há 10 minutos: bar ao túnel de Ceuta’. Liguei, fomos ver o espaço nesse dia e ficamos logo convencidos.”

A ideia vinha de uma década atrás, quando a noite portuense na Baixa “era o Café au Lait, o Lusitano e pouco mais”. Mas nessa altura “o medo do risco” falou mais alto, admite Alexandra. “Ficávamos no sonho”, completa Tiago Ramos, 32 anos.

O Copos e Cusquices, aberto desde o dia 5 de Julho, “é um espaço completamente despreconceituoso, sem rococós, para a pessoa estar completamente à vontade” e quer provar que “comer bem e bonito não precisa de ser caro”, explica Tiago. E Alexandra completa: “O conceito é esse – que as pessoas se sintam como em casa e não se sintam defraudadas no fim, que não saiam daqui a achar que pagaram demasiado.”

Um balde de asinhas de frango crocantes, com 8 pedaços, e os bolinhas de morcela com cebolada de maçã, com 4 unidades, custam apenas 4 euros cada e a tralheira (alheira com espinafres e ovo de codorniz) fica por 4,5 euros. Para a sobremesa também há tentadoras opções: shot de requeijão (com requeijão, doce de abóbora e amêndoa) ou mousse de chocolate com laranja, ambos por 1,5 euros, são as estrelas do momento, de um menu que se pretende que seja rotativo.

As bebidas são igualmente baratas: 4 euros por mojitos (é correr para experimentar o mojito de melancia, sazonal), 4 euros por caipirinhas, 2 euros por um copo de sangria, 10 euros por um jarro de sangria de espumante. Tudo isto em “copos generosos”.

O Copos e Cusquices está dividido em 2 andares. O rés-do-chão tem um bar que tanto serve quem opta por ficar na rua (há um banquinho de madeira à entrada que convida à paragem), como quem se atreve a uns passos de dança num espaço entre este piso e o primeiro andar. Em cima, o ambiente é mais calmo: um bar, uma sala com mesas de jantar óptimas para grupos e uma outra com pufes e duas janelas para a Rua do Almada.

Nas paredes vazias do primeiro andar vão surgir a partir de Setembro “talentos portuenses que não são conhecidos”, conta Tiago Ramos, à espera de propostas de novos artistas. “Quadros, ilustrações, peças de artesanato, fotografia. Queremos também ser uma montra para essas pessoas.”

  1. Ana Ferreira says:

    Espaço muito acolhedor, o pessoal é uma simpátia. As bebidas são optimas, a revisitar de novo!

  2. Marta Sousa says:

    Adorei o espaço, a comida é óptima e os preços super acessíveis. O Mojito é excelente e só custa 4€!!
    Recomendo vivamente!

  3. Ana says:

    É um espaço onde é difícil não nos sentirmos em casa. É bom poder contar com esta alternativa numa baixa saturada de locais onde, por vezes, é difícil encontrar originalidade. Aqui é possível comer e beber com qualidade, barato, e contar sempre com a boa recepção por parte de quem gere o espaço. Quem não conhece, não pode deixar de conhecer!

  4. Henrique Castro says:

    Petiscos e sangrias óptimas. O atendimento é 5 estrelas e completamente despretensioso. Senti-me em casa. É um sítio a voltar, definitivamente.