27 Jul 2011, 19:47

Texto de Redação

Praça

BES Revelação 2011: O futuro da arte portuguesa vai passar por Serralves

,

Já são conhecidos os vencedores da edição de 2011 do BES Revelação, organizado anualmente pelo Banco Espírito Santo e pela Fundação de Serralves.

Já são conhecidos os vencedores da edição de 2011 do BES Revelação, organizado anualmente pelo Banco Espírito Santo e pela Fundação de Serralves.

Foram seleccionados por unanimidade os projectos apresentados a concurso por Ana de Almeida (1987, Praga), Catarina de Oliveira (1984, Lisboa) e pelo colectivo de artistas constituído por Gonçalo Gonçalves (1988, Lisboa), Luís Giestas (1988, Vila do Conde) e Almeida e Silva (1981, Lisboa).

Os projectos vencedores vão ser apresentados no Museu de Arte Contemporânea de Serralves a partir de Novembro.

Projecto de Ana Almeida

Ana de Almeida propôs um projecto intitulado “Al Wahda”, “uma instalação constituída por diapositivos, vídeos e um artigo de imprensa, todos relativos a naufrágios, encalhes e afundamentos de navios, particularmente de um navio que afundou perto do Estoril em 1989 depois de arrastado por uma tempestade”, explica a organização do prémio.

“De forma a questionar as práticas documentais na arte contemporânea, e a fronteira entre ficção e realidade”, Ana de Almeida “propõe uma reflexão sobre uma possível história pessoal e nacional e as possibilidades da sua representação”.

Projecto de Catarina de Oliveira

O projecto de Catarina de Oliveira, com título ainda a ser definido, “consiste num vídeo retroprojectado num acrílico, em que a artista se propõe investigar a criação, nos dias de hoje, de mitologias e sistemas de crença que não sirvam uma agenda de políticas nacionalistas e de territorialização”.

O vídeo será, na sua maioria, registado num anfiteatro grego em ruínas, em Segesta, perto da cidade de Trapani, na Sicília. “É através de imagens simbólicas que criam diferentes mapas que eu pretendo desenvolver este trabalho”, diz a artista.

Projecto de Gonçalo Gonçalves, Luís Giestas e Almeida e Silva

Gonçalo Gonçalves, Luís Giestas e Almeida e Silva apresentam o seu projecto como um colectivo. O processo posto em marcha consistirá no envio, por parte de um dos membros do grupo, de uma fotografia para os outros 2. Depois, “cada membro do grupo criará um novo trabalho, em resposta aos recebidos e envia-os para os outros dois membros e assim por diante. Este processo terá o seu início de imediato e até um mês antes da inauguração da exposição”.