28 Fev 2012, 22:49

Texto de Ana Isabel Pereira

Comes & Bebes

Beber vinho e saborear um petisco na mercearia

, , , ,

Na Mercearia das Flores há produtos regionais portugueses e biológicos, para levar ou para provar ali mesmo. Pelo portuense, pelo turista ou pela vizinha.

A Mercearia das Flores. Foto: AIP

Na Mercearia das Flores, que abriu há dias no número 110 da Rua das Flores, há produtos regionais portugueses, com especial destaque para os pequenos produtores, e biológicos.

Para levar para casa ou para provar ali mesmo. Pelo portuense, pelo turista ou pela vizinha.

O projecto de Joana Osswald e Joana Oliveira, é, por isso, mais do que uma mercearia. No espaço com 3 mesas – uma delas alta, com bancos a condizer –, é possível provar um pouco de tudo o que se vende na Mercearia das Flores.

J. Osswald e J. Oliveira, 43 e 45 anos, respectivamente, têm mais em comum para além do nome próprio. “Somos as 2 do Porto, ambas temos ascendência transmontana e conhecemos-nos porque os nossos filhos [têm ambas 3 filhos] andam na mesma turma. No ano passado, ficámos responsáveis pela organização de uma viagem da escola e conhecemo-nos melhor”, conta à Praça J. Osswald.

Perceberam que sonhavam em abrir o mesmo negócio e daí até à procura de um espaço no centro histórico ‘foi um tirinho’.

A Cidade das Profissões ajudou-as a elaborar o plano de negócios e em Novembro arrendaram uma antiga tipografia na “carismática” Rua das Flores.

À mesa

Diariamente – a Mercearia abre de segunda a sábado, das 9h30 às 19h –, há 2 sugestões de vinho a copo (um branco e um tinto, a 1,7 euros o copo), por exemplo, mas quem quiser outro néctar qualquer, pode pedir a garrafa se pagar uma taxa de 3 euros para ser aberta à mesa.

Para comer, um pequeno menu inclui aperitivos como a amêndoa torrada (1,6 euros), saladas, pratinhos de conservas – bacalhau com azeitonas biológicas e ervinhas frescas (5 euros, para 2) e sardinha ou cavala inteira picante em broa de milho e de Avintes, com tomate mini e alface (3,5 e 3,8 euros) são 3 das sugestões – queijos, presunto, tostas, doces e bolachinhas para comer no local.

O pão de centeio e trigo vem à terça e à sexta de Gimonde (Bragança), às 8h30, e à quarta de Mirandela, de onde chega ainda uma bola de azeite e azeitonas, pelas 10h. É com esta ‘matéria-prima’ de luxo que são feitas as torradas do pequeno-almoço e as tostas do almoço.

Para levar

Para levar, há bolo de mel da Madeira, compotas (da Casa de Juste e da Mil Sabores, por exemplo) e mel DOP, vinagre de sidra aromatizado com ervas, azeites DOP e biológicos – como o azeite Sardeiro, produzido pela empresa familiar onde J. Oliveira esteve nos últimos 10 anos –, chá e bolachas de água e sal dos Açores, biscoitos Diogo de Valongo, bolachas artesanais da Casa de Juste e da Padaria Santo António (São Mamede de Infesta), cerveja artesanal Sovina, vinhos de pequenos e grandes produtores, conservas Santa Catarina, Pinhais e Nero e Chocolates da Beatriz, produzidos “por uma chilena radicada em Odemira”.

Moderna mas com memória

“A nossa ideia era pegar numa mercearia antiga e pô-la aqui, mas era tudo muito caro”, explica J. Osswald. Acabaram por criar móveis expositores de raiz, com a ajuda da arquitecta Luzia Gama e do designer José Osswald, e compor o espaço com peças antigas trazidas de Trás-os-Montes e de onde houvesse alguém pronto a emprestá-las. O resultado é uma mercearia moderna, mas com memória.

A banca em lousa encerada onde fica a caixa registadora, por exemplo, resgatou-a do abandono J. Osswald. “Era de uns imigrantes que a tinham encostado na beira da estrada e eu fiquei com ela. Estava guardada em casa dos meus pais, na esperança de que eu um dia viesse a usá-la”, conta a antiga investigadora ‘Pós-Doc’ do CIMAR (Centro de Investigação Marinha e Ambiental). As bilhas de azeite no corredor que dá acesso à casa de banho também vieram de Trás-os-Montes, assim como as cadeiras antigas. Os cestos pendurados na parede são emprestados pela mãe de J. Oliveira e a balança antiga na montra por uma amiga.

  1. rosalia liborio tavares says:

    ja conheço a vossa mercearia que adorei e ainda almocei lindamente servida pelas duas que são muito simpaticas só vos posso desejar as maiores felicidades que tenho a certeza que vão ter