24 Ago 2013, 16:43

Texto de Mariana Correia Pinto

Praça

Amorefrato: gelados artesanais para saborear com ternura

Desempregada, a ex-professora Carla Moreira decidiu dedicar-se à cozinha. No seu laboratório, na Rua Passos Manuel, no Porto, já desenvolveu 50 gelados. Há 12 diferentes todos os dias.

Quando Carla Moreira nos explica o significado da palavra Amorefrato, nome que deu à gelataria que abriu este mês na Baixa do Porto, é como se as peças do puzzle começassem a encaixar-se e todo o cenário e sentimento à entrada da loja começasse a fazer sentido.

Amorefrato é a homenagem de Carla e do marido, Marco Silva, aos seus 2 filhos, Francisca e Tomás. “Fra” (de Francisco) mais “to” (de Tomás) dava curiosamente origem a uma palavra que “soava italiano”: frato. “Descobrimos que significava exactamente o fraterno.” Depois foi só juntar o “amore” e já está: Amorefrato.

O pormenor combina perfeitamente com a decoração do espaço: acolhedora, atenta aos detalhes, cores pastéis. Mas seria insuficiente sem o “laboratório” em que Carla Moreira trabalha diariamente, no piso -1, e onde já desenvolveu cerca de meia centena de sabores.

É isso mesmo, os gelados são feitos todos os dias e de forma artesanal por esta ex-professora, licenciada em Gestão, que, empurrada pelas “alterações da política da educação”, ficou desempregada e sem perspectivas há cerca de 2 anos.

Com o futuro incerto à frente, Carla começou a pensar em alternativas. “A área da cozinha é uma área que gosto bastante. Comecei a fazer gelados e eles começaram a sair cada vez melhor: dava a provar aos familiares e amigos. Fiz mais e mais e mais, até que surgiu a ideia: Podia transformar isto num negócio”, recorda.

Fez formação e no final do Verão do ano passado começou à procura de um espaço. A primeira opção em cima da mesa — abrir na Póvoa de Varzim, perto de casa, em Vila do Conde — acabou por ser afastada. “Percebemos que seria demasiado sazonal e virámo-nos para o Porto.”

No dia 7 de Agosto, no número 69 da Rua Passos Manuel, nasceu a Amorefrato, que além dos gelados tradicionais tem também sorvetes, serviço de pastelaria — crepes, bolo à fatia, queijadas — e cumpre a tarefa para almoços mais leves, com quiches e tartes salgadas.

O difícil pode mesmo ser escolher entre a vasta variedade que a gelataria oferece (Carla já desenvolveu 50 sabores e são apresentados 12 por dia): perdemo-nos pelo sorvete de melancia, o maria framboesa, o gelado de vinho do Porto, de licor Beirão, de Oreos. E só não continuámos porque a dieta não o permitiu.

Os preços variam entre os 2,5 euros (2 sabores) e 4,5 euros (4 sabores) e os gelados tanto podem ser servidos em copo como em cone. O espaço funciona de segunda a sexta das 9h30 às 19h30 e ao sábado das 9h30 às 18h30.

  1. MJ says:

    Acho ridículo o horário dum espaço como este. E as pessoas que depois do trabalho querem ir comer um gelado? Não teria mais lógica abrirem até mais tarde pelo menos no sábado? Depois queixam-se da crise…

  2. AF says:

    Adorei! Bom espaço, as pessoas que nos atendem são muito simpáticas, os gelados são uma delicia! O de ovos moles é realmente uma perdição!!