24 Fev 2011, 18:57

Texto de Ana Isabel Pereira

Coisas

A Rosa Chock II é nas traseiras do Coliseu

, , ,

A loja de roupa e acessórios em segunda mão mais conceituada do Porto ganha, a partir de sábado, uma gémea, a Loja 2, na Rua Formosa.

Rosa Chock

A Rosa Chock da Rua do Almada. Foto: AIP

Quem é que não conhece a Rosa Chock? Sim, aquela loja com os manequins com look retro a espreitar à janela do primeiro andar do número 225 da Rua do Almada – pronto, se calhar, até havia quem não soubesse o que era aquilo, mas, agora, essas pessoas já não têm desculpa.

É a loja de roupa e acessórios em segunda mão – e não só, mas já lá vamos – mais conceituada do Porto e, a partir de sábado, ganha uma gémea, a Loja 2, na Rua Formosa, 168 (nas traseiras do Coliseu).

A nova loja reconstitui uma época em particular, os anos 60/70, que viram nascer Fátima Leite, a dona da Rosa Chock. “Lá, tenho coisas mais especiais que fui comprando e encontrando com calma, desde roupa de festa a relógios e outros objectos, passando por mesinhas e candeeiros”, conta a responsável

Não é à toa que “as meninas dos Morangos com Açúcar”, “algumas de Lisboa”, vão de propósito à Rosa Chock.

“O artigo tem de estar tão novo como a roupa nova”, conta Fátima Leite, natural de Braga e que teve, durante 12 anos, negócio na Rua Oliveira Monteiro, antes de se mudar para a Rua do Almada.

“O cliente pode levar a roupa vestida directo daqui”, garante, atestando a limpeza e o aprumo destas peças saídas do baú.

Há camisas floridas, que fazem lembrar as meninas da Resistência Francesa nas suas bicicletas, pochetes delicadas e únicas, casacos de pele, vestidos – humm, como descrever? – fantasiosos e óculos retro, como os “olhos de gata” que estão agora de novo  na moda. Tudo em primeira, segunda, sabe-se lá quantas mãos. Mas como novo, sublinha Fátima.

Mas, aqui, não há só usado. Em algumas cruzetas, estão pendurados vestidos novinhos em folha da Zach, roupa que, sem ser de estilista, “é de autor” e que vemos a vestir como uma luva na fashionable Sienna Miller. Não têm etiquetas porque Fátima as tirou. A Rosa Chock é a única no Porto e das poucas no país que vende esta marca acessível (na loja, encontramos vestidos a 30 e a 40 euros). “Só conheço outra loja no Algarve que vende”, diz a responsável.

Se lhe dissermos que até as funcionárias das lojas da cadeia sueca H&M compram na Rosa Chock, não vai acreditar. Mas pode acreditar que “é verdade”, garante Fátima.

Fátima Leite não aceita que lhe levem coisas para pôr à venda. “Não gosto dessa coisa de ‘está velho para mim’ ou ‘eu já não gosto, por isso venho despachar aqui'”, explica. A comerciante viaja com regularidade para Londres, claro, Barcelona e Madrid e recebe artigos de Amesterdão. Procura roupas especiais e arremata peças e acessórios por atacado. “Sai-me mais barato assim”, conta.