29 Abr 2013, 21:25

Texto de

Opinião

Uma adega com memórias

Na Adega Moura, sempre apinhada de gente boa, discutia-se de tudo um pouco. Política em voz baixa, futebol em discussões acaloradas, com apostas e sadias rivalidades clubísticas.

Ainda mal sabia o que eram essas “casas de má fama”, os tascos e não tascas como faz questão de sublinhar o historiador Hélder Pacheco, quando um dia decidi espreitar pela porta “Far West” a Adega Moura, ao Monte Pedral, onde nasci e vivi com os meus pais. Anos 60, tempos de fome e miséria (parece que o ciclo da vida andou para trás e agora os governantes têm o descaramento de dizer que “vamos continuar a empobrecer”…) quando a cidade andava a pé ou viajava de eléctrico, milhares de bicicletas nas ruas e um carro de vez em quando. Nesses tempos, o Porto cidade e território estavam cheios de fábricas de fiação e tecidos, estamparia, máquinas industriais (como a EFI-Eduardo Ferreira & Irmão, ao Palácio, hoje, condomínio de luxo) e por perto da rua onde nasci, à Rua de Nogueira (mais tarde baptizada por Rua do Padre José Pacheco do Monte) existiam clientes certos na antiga Adega Moura, geralmente gente pobre, operários das antigas fábricas situadas nas redondezas, como A Fosforeira, à Rua de Silva Porto, junto ao Centro Hípico do Porto; Fábrica de Tecidos do Bom Pastor – onde chegou a ser sócio da empresa o cineasta Manoel de Oliveira – mais a Fábrica de Fiação e Tecidos a Vapor de Salgueiros, uma importante unidade industrial de tecelagem e tinturaria que empregou milhares de homens e mulheres em turnos permanentes. E mais uns quantos clientes habitués, uns copos de tinto por entre jogos de dominó e sueca.

Copos de tinto e dominó

A Adega Moura sempre foi o ponto de encontro desta gente humilde e trabalhadora que, neste simples espaço de tertúlia fazia amizades e encontrava a nesga de felicidade para o seu dia-a-dia sombrio e triste. E ao contrário do que diziam as más línguas da época, a Adega Moura que eu conheci nunca foi um lugar de bebedeira, antes um espaço de convívio dos mais pobres, com uma “caixa de 20 amigos” a fomentar solidariedades e onde muitos entregavam alguns escudos para a primeira excursão familiar. Recordo-me de tudo isso com nostalgia e ternura. E revejo os grandes quadros emoldurados alusivos às principais figuras da República dependurados por cima dos pipos o que, em tempo de Ditadura salazarenta, tornou este estabelecimento num espaço diferente na cidade e para mim, mágico. A Adega Moura não foi só um simples lugar de copos de vinho. Fez História e divulgou a gente que mal sabia ler ou escrever alguns dos heróis que derrubaram a Monarquia.

Depois, existiu outro aliciante que, naqueles Verdes Anos observei quando passava pela Rua de S. Dinis, após ter visto mais um melodrama de Joselito (o actor embalou corações e foi acusado de tráfico de droga) no Cinema Vale Formoso de boa memória.

Presunto e bolinhos de bacalhau

Naquele tasco sempre apinhado de gente boa, com sandes de presunto, bolinhos de bacalhau e tijelas de tinto, discutia-se de tudo um pouco. Política em voz baixa, futebol em discussões acaloradas, com apostas e sadias rivalidades clubísticas. Aos domingos o dia transformava-se numa festa. Logo após o almoço, o senhor Moura (que eu conheci) fazia questão de colocar a telefonia em alto som (até na rua era audível) para toda a gente acompanhar os relatos de futebol do Salgueiros (o clube mais republicano do Porto), Boavista e Leixões, mais o Futebol Clube do Porto, Benfica e Sporting. E claro, mais uns copos para festejar as vitórias dos clubes da Invicta, sempre rivais, mas fraternais quando estavam em jogo os clubes da Mouraria.

Hoje, já restam poucos lugares com história e idênticos à antiga Adega Moura. Na minha memória afectiva mantenho as frases típicas dos fregueses (“quero um copo bem cheio, sem gravata”), as discussões sobre futebol, a amizade que testemunhei naquela gente simples, o décor daquela adega única portuense. E o sorriso sempre gentil do senhor Moura.

  1. RF says:

    Bela crónica.
    Precisam-se de muitas Mouras, para revalorizar o encontro de amigos e conhecidos, para reforçar a solidariedade e cumplicidade de vizinhança (e outros), em tempos negros de “financismo” fundamentalista, economia orientada para o empobrecimento dos menos ricos e política em suspenso, “porque não há alternativas”.

  2. José Vaz says:

    Caro Vitorino, é o Porto que nos reporta nesta sua crónica que me deixa saudades.
    Tenho conhecimento de mim a partir dos meus 5 anos (1960), como me lembro dos rádios dos tascos (a válvulas) com o som no máximo (em dia de relato) para se ouvir na rua, era uma forma de captar clientela acabando por prestar um serviço público, nesses tempos muita gente ainda não tinha receptor próprio.
    Morei na Rua de S. Vítor quase até aos 6, lembro com nostalgia um vizinho que quando ao fim da tarde chegava a casa pousava a pasta onde levava o almoço e voltava a sair, ao passar à minha porta chamava, “moço, vamos beber um negos à Rosinha”, a Rosinha era a dona do tasco mais próximo, o meu negos era uma bolacha Maria, que bem que me sabia.
    Passados alguns anos abriram cafés por todo o lado, começaram a formar-se os grupos de jovens que chegavam mesmo a ser identificados por serem clientes deste ou daquele.
    E depois esvaziaram a cidade que hoje sobrevive graças ás companhias aéreas “low cost”, espero sinceramente que não a matem se aumentarem as taxas no Aeroporto de Pedras Rubras.
    Cumprimentos.

  3. has been referred to as the origin for the name “Portugal”, based on transliteration and oral evolution from Latin . In Portuguese the name of the city is spelled with a definite article as “o Porto” (English: the port). Consequently, its English name evolved from a misinterpretation of the oral pronunciation and referred to as “Oporto” in modern literature and by many speakers.

  4. Hoje, já restam poucos lugares com história e idênticos à antiga Adega Moura. Na minha memória afectiva mantenho as frases típicas dos fregueses (“quero um copo bem cheio, sem gravata”), as discussões sobre futebol, a amizade que testemunhei naquela gente simples, o décor daquela adega única portuense. E o sorriso sempre gentil do senhor Moura.

  5. Hoje, já restam poucos lugares com história e idênticos à antiga Adega Moura. Na minha memória afectiva mantenho as frases típicas dos fregueses (“quero um copo bem cheio, sem gravata”), as discussões sobre futebol, a amizade que testemunhei naquela gente simples, o décor daquela adega única portuense. E o sorriso sempre gentil do senhor Moura.

  6. has been referred to as the origin for the name “Portugal”, based on transliteration and oral evolution from Latin . In Portuguese the name of the city is spelled with a definite article as “o Porto” (English: the port). Consequently, its English name evolved from a misinterpretation of the oral pronunciation and referred to as “Oporto” in modern literature and by many speakers.

  7. has been referred to as the origin for the name “Portugal”, based on transliteration and oral evolution from Latin . In Portuguese the name of the city is spelled with a definite article as “o Porto” (English: the port). Consequently, its English name evolved from a misinterpretation of the oral pronunciation and referred to as “Oporto” in modern literature and by many speakers.

  8. Hoje, já restam poucos lugares com história e idênticos à antiga Adega Moura. Na minha memória afectiva mantenho as frases típicas dos fregueses (“quero um copo bem cheio, sem gravata”), as discussões sobre futebol, a amizade que testemunhei naquela gente simples, o décor daquela adega única portuense. E o sorriso sempre gentil do senhor Moura.

  9. Pingback: ibhciupshuwen123

Opinião

No Porto24, contamos as histórias que fazem o dia-a-dia do Grande Porto. A nossa missão é ser também um espaço de reflexão e debate. A Opinião é uma plataforma animada por um conjunto de intervenientes e observadores atentos da cidade, que escrevem com regularidade.