29 Ago 2012, 18:26

Texto de

Opinião

Tudo na mesma?

, ,

Numas voltas pela baixa, de dia, cruzo-me geralmente com estrangeiros. O centro histórico tem os seus visitantes do costume. E o resto? O resto, na vida real, é quase uma cidade fantasma. À noite, então, nem se fala.

Há quase 9 meses que não escrevia uma crónica. Razões de ordem pessoal fizeram-me andar arredada da escrita.

Que aconteceu ao Porto durante esse tempo? Essencialmente, a meu ver, tornar-se, cada vez mais, uma promessa adiada. A movida vai de vento em pompa, abrem algumas lojas ou espaços alternativos, outros fecham. Há movimentos pontuais de cidadãos, um ou outro festival mas, o tom geral, o do dia-à-dia, é de desânimo.

Não parece haver crescimento, não parece haver uma melhoria substancial, nem sequer um manter ou preservar do existente.

É certo estarmos em crise, a Câmara ter, muita vez, uma atitude pouco flexível, mas passear pela cidade rasa o deprimente. Prédios e casas a cair, cada vez mais lojas fechadas, muitas delas substituídas por espaços “Compra-se Ouro”, ruas pejadas de lixo.

Existe quem esteja empenhado em estudar os problemas da cidade, como a APRUPP (Associação Portuguesa para a Reabilitação Urbana e Proteção do Património), que tem realizado tertúlias alusivas ao tema, ou a Swark, que trabalha na recuperação de casas, essencialmente na baixa. Há o Teatro do Bolhão, que se vai instalar no belo Palácio do Conde do Bolhão, na Rua Formosa. São iniciativas importantes mas não chegam.

Por um lado, o Porto não pode ser reduzido ao centro histórico e à baixa, os 2 pontos primordiais de atenção, seja na divulgação da cidade, seja na reabilitação urbana; por outro, parece ser difícil levantar o moral de uma cidade atrofiada por milhentos males.

Continuo a achar que o Porto tem condições para ser uma pequena/média cidade aprazível, com características únicas, uma ideia que abordei em “Uma Pequena Cidade“. Então, o que é que aconteceu? O que se passa?

Solavancos, diria. Um pára-arranca-para-que-não-chega-a-avançar-e-a-levantar-voo. Temos turistas, é certo. Temos imensos hostels (alguns deles a fechar, tanta acabou a ser a oferta) e hotéis (também eles em excesso), mas uma cidade que se quer viva no seu todo não pode viver só de turistas e do alardear de 2 zonas.

A cada semana que passa deparo-me com mais casas, apartamentos ou lojas vazios. Numas voltas pela baixa, de dia, cruzo-me geralmente com estrangeiros e, excepto pelos lados de Santa Catarina ou São Bento, pouco mais. O centro histórico tem os seus visitantes do costume. E o resto? O resto, na vida real, é quase uma cidade fantasma. À noite, então, nem se fala.

E, depois, são os problemas que se arrastam há anos e anos, como o Bolhão, cada vez mais débil. É a falta de uma estratégia concertada de revitalização da cidade, de ver mais para lá do que o presente. Aliás, o presente anda a ser desmantelado aos bocadinhos. Que nos trará o futuro, mais tudo na mesma ou boas supresas?

  1. José Nogueira says:

    Regresse a Lisboa, onde viveu 13 anos, e depois fale-me de cidade deprimente. E, já agora, pode ficar por lá que, aqui, com esse tom pessimista, não faz falta nenhuma. Os portuenses que nos últimos anos têm transformado a cidade ( a propósito, cada vez mais visitada por alfacinhas)agradecem. Boa sorte na capital do império. Pode ser que arranje lá um tachozito, se ainda tiver algumas relações ( no Blitz ou DN, por exemplo)com os detentores do poder centralista e asfixiante deste país.Bai e num boltes!

Opinião

No Porto24, contamos as histórias que fazem o dia-a-dia do Grande Porto. A nossa missão é ser também um espaço de reflexão e debate. A Opinião é uma plataforma animada por um conjunto de intervenientes e observadores atentos da cidade, que escrevem com regularidade.