30 Abr 2012, 15:25

Texto de

Opinião

Beber na rua é que não!

Se for proibida a venda de bebidas na rua, quem quiser beber tem de entrar num bar e beber lá dentro. Isso reduz o ruído na rua e limita a confusão cá fora.

Venda ambulante na boémia nocturna da baixa do Porto

Problema é resultado da venda de bebidas em todas as janelas de rua e passeios da baixa. Foto: Nataniel Diogo

Nós temos que nos convencer que não deixamos de ser inteligentes se, quando temos um problema, perdermos algum tempo a tentar perceber como é que outras pessoas, ou povos, perante esse mesmo problema o resolveram.

Além da vantagem de poder conhecer os resultados dessa solução, pode-se sempre perceber quais as dificuldades e opções que existiram para solucionar esse problema.

Se calhar, até somos mais inteligentes se aprendermos com as experiências alheias em vez de sujeitarmos um número enorme de pessoas ao nosso experimentalismo.

A questão dos horários a praticar nos cafés e bares da noite da baixa do Porto é um belo exemplo disso.

A proposta de decisão da Câmara é uma proposta salomónica, que corta ao meio uma situação que, tal como no caso de Salomão, não agrada a nenhuma das partes: obrigar os cafés e bares a fecharem a horas que dá cabo, em alguns dos casos, do próprio negócio sem com isso resolver o problema principal, que é o número elevado de pessoas a beber no meio da rua a partira das horas mais avançadas da madrugada.

Dizem todos os que conhecem bem a situação que o problema não existe até às 4 da manhã mas depois dessa hora e, sobretudo, em resultado da venda livre de bebidas a baixo custo em todas as janelas de rua e passeios da baixa, que, ao fim da noite, produz uma legião de entusiasmados que entornam literalmente os seus excessos por todas as ruas e cantos que encontram.

Como é que então outras cidades europeias resolveram este problema, já que não custa perceber que este problema só é novo aqui, que outros lugares passaram pelo mesmo problema? A resposta está numa lei, ou regulamento, que proíbe beber na rua.

Nós sempre achámos retrógrado e bizarra a ideia de se proibir a venda de bebidas alcoólicas na rua porque não percebíamos que problema é que isso resolvia. Agora percebemos, é o que temos na baixa do Porto. Se for proibida a venda de bebidas na rua, quem quiser beber tem de entrar num bar e beber lá dentro. Isso reduz o ruído na rua e limita a confusão cá fora. Além de permitir uma coisa a que ninguém liga nenhuma mas que é a possibilidade acrescida de se conseguir cobrar impostos aos consumidores de bebidas, porque, se o IVA já se aplica à taxa normal a tantos produtos necessários, era o que faltava que a malta que vai para os copos não contribuísse para pagar a dívida que contraímos alegremente.

Quem quiser beber que beba dentro de algum estabelecimento nocturno!

  1. Joaquim Queiros says:

    Realmente há cada um a utilizar a inteligência de cada forma.Ainda ninguém percebeu que existe
    uma lei que estabelece os horários dos estabecimentos de restauração e bebidas faça se
    cumprir a lei a baixa não é nenhuma zona franca,
    onde os empresários estabelecem as suas regras. Ainda quer este sr. mais uma lei toca mas é a cumprir a lei existente e depois logo se vê.

  2. Tiago Cortez says:

    Para estar só num local fechado é indiferente estar na baixa ou num armazém na zona industrial de Vila do Conde. Obviamente foi a filosofia de rua e de viver a cidade que fez triunfar a noite actual do Porto. Péssima ideia.

  3. Nuno Mesquita says:

    Que confusão que vai aqui! O que está a sugerir é a proibição da venda de bebidas na rua (nas bancas como a da foto – ilegais e não licenciadas), ou o próprio acto de consumo das bebidas na via pública? É que são duas coisas completamente diferentes e mistura-as várias vezes no seu artigo. Se com a primeira até tendo a concordar (seria uma forma de acabar com a economia paralela que gera) a segunda é, como disse um comentador acima, uma ideia completamente idiota.
    Aliás, tal como a limitação de horários que pretendem implementar.

Opinião

No Porto24, contamos as histórias que fazem o dia-a-dia do Grande Porto. A nossa missão é ser também um espaço de reflexão e debate. A Opinião é uma plataforma animada por um conjunto de intervenientes e observadores atentos da cidade, que escrevem com regularidade.