26 Jan 2012, 0:04

Texto de

Opinião

Orion morreu, mas continua a brilhar

O António Júlio morreu. Era daquelas personalidades que dão sentido às cidades. Tinha a capacidade de saltar gerações, de ir contra a norma, de insistir, de criar diversidade tornando os percursos urbanos mais surpreendentes.

Com o avançar dos anos, o Facebook já não nos traz só as datas de aniversários dos amigos, às vezes vem interromper a paspalhice digital com notícias como a que recebi esta semana. O António Júlio morreu.

Num instante, as imagens percorreram o meu cérebro na busca da memória. Um Cadillac dourado, de cobertura branca descendo a Avenida dos Aliados, uma Harley-Davidson à porta de um bar e sempre a figura esguia do António Júlio, sorrindo, pleno de energia, acabado de chegar de Amesterdão.

Foram as festas góticas, os concertos, em bares e no Sá da Bandeira, a loja no Stop repleta de peças em segunda mão e, ainda não há muito, um Palacete Pinto Leite a transbordar com a excentricidade de “Moscow-Porto-Arte-Express”. E, claro, as imagens do castelo que estava a construir num local do interior que esqueci, onde marcamos encontros que nunca cumprimos.

O António Júlio, que também gostava que lhe chamassem Orion, era daquelas personalidades que dão sentido às cidades. Irreverente, insaciável na sua vontade de congregar vontades, levantar projetos, de se juntar a gente nova em que corresse essa energia tão própria do rock’n’roll. E sempre, apesar das suas vestes negras, do seu gosto pelo clã gótico, o sorriso, uma ânsia bem-disposta, um encontro de amigos.

Sendo único e irrepetível, o António Júlio tinha essa capacidade de saltar gerações, de ir contra a norma, de insistir, de criar diversidade tornando os nossos percursos urbanos mais surpreendentes. É a soma de vidas como esta, nas mais diferentes áreas, que fazem a riqueza das cidades.

Respondi ao Facebook com “I see a darkness”, de Bonnie “Prince” Billy. Fui ouvir a tua filha despedir-se de ti ao som de “Fascinação”: “Os sonhos mais lindos sonhei/ De quimeras mil um castelo ergui/ E no teu olhar, tonto de emoção,/ Com sofreguidão mil venturas previ.” Há bem pouco tempo ligaste-me. Deverias querer despedir-te. Ocupado, não te atendi à espera que voltasses a ligar, como normalmente fazias para me falar da última aventura. É horrivel saber que essa chamada não vai chegar.

David Pontes escreve segundo o novo acordo ortográfico.

  1. Eric says:

    Palavras que vão ao encontro de todos que o conheceram e que recordarão para sempre – Orion – o andarilho português.

  2. Didi says:

    Como acontece em mts casos, parece que depois de morrer as pessoas são umas santas! O orion podia ser uma figura de referência na cidade do Porto, mas era uma pessoa horrível, sem valores, que se aproveitava de miúdas inocentes. Haja paciência….

  3. Tudo se paga... says:

    Quando o homem era vivo falavam mal dele,mas agora que morreu de uma doença má,já é a melhor pessoa do mundo.E muitos que comentam pelas redes sociais.até aqui,nem sequer eram amigos dele,e o próprio Orion sabia disso.Apenas por terem falado algumas vezes em festas,já dizem que eram grandes amigos.Mas, infelizmente isto acontece muito neste meio.Tenham vergonha e deixem-se de hipocrisias.Parem de dizer que vai deixar saudade.Deixará saudade sim,para a familia e alguns amigos que ele tinha.Vai deixar saudade pelas festas que nos ofereceu,mas para os hipocritas que até ao funeral foram apenas para ficar bem na “foto”,não deixará saudade porque sabem perfeitamente que ele,como pessoa,não prestava.E falo,porque infelizmente tive o desprazer de o conhecer e conviver com ele,assim como muitos.Mas apesar de tudo não lhe desejava mal,apesar de prever que ele teria um mau fim.Que descanse em paz agora, porque todos os pecados já estão pagos.

  4. conheci o antónio júlio há uns 25 anos. a medida da ” amizade” é sempre algo pessoal, sujeita a ponderações individuais e que não devem ser ” leiloadas” ” generalizadas” pela muita ou pouca gente, ou por ” orçamentistas pontuais”, para-quedistas até de ” graus de amizade” é espantoso…no que se focam as pessoas. claro que o antónio júlio, muito pelo seu desapego e sucesso ( que vai além dos parâmetros medianos usuais) estava muito mais sujeito a estas relações amor-ódio, no fundo naturais.o antónio júlio não era um deus à vossa medida. e é com isso que muitos não conseguem lidar.
    de resto trato fácil, suave, primava pela diferença, criava, accionava, e espantem-se: conseguia! :) pois é. não é para todos, é certo. sempre reservei o julgamento a entidades superiores como o sol, o mar, o vento… é fácil falar dos outros e pecar o pecado único de ser mortal. que estamos condenados à morte, é uma certeza… a sentença é que é a incógnita deste jogo. não há que atribuir outro sentido que não seja o desenrolar das coisas, a naturalidade das mesmas. que vos importa o cadillac, o oldsmobile, a harley, as jovens, se não era da vossa vida que se tratava? ainda bem que o desprazer de um é o prazer dos outros. :)o antónio júlio, como dizia um poeta, é feito da matéria efervescente dos sonhos. voa antónio júlio voa… que as nuvens te sejam suaves meu amigo. e já sabes… realidades fortes e belas, sempre! :)

  5. mariana mi says:

    orion…..luz luz luz…..foste uma pessoa mt importante p mim….pois me apresentas te a tua estrela saphir…e estou te tao grata….. te desejo muita luz na tua passagem….acredito q seja acordar das ilusoes da vida….muito obrigada por tudo tudo…abraço eterno

  6. Ghostycia says:

    Tanta discussão para quê?Estão a dar demasiado importância a quem não merecia.Embora o teu pai para mim tenha sido um ser humano desprezível,era teu pai.Por isso,compreendo a tua dor.Dito isto,os meus pêssames.
    Parem de dar condolências hipocritas,e deixem aqueles que realmente o amavam,chorarem a sua perda em paz.
    R.I.P

  7. Eu indignada! says:

    Acho sinceramente que muitos de vocês disseram a uma FILHA em LUTO o que realmente ela devia ouvir… estão de parabéns por serem tão boas pessoas, de índole irrepreensível e tão beneméritas que até se deram ao trabalho de vir comentar (um texto que um AMIGO escreveu em ato de despedida), deitando para fora todos esses monstros que tinham dentro de vocês. Realmente são muito corajosos.

  8. Kokni says:

    Saphir, Sorry, cause I did not know all details… cause i thought that his body really could take it… when he had first tumeurs he should do streight(!) transplantation, but that time his body already was too weak for it?… I did not know… And the doctors were caring, exept the main one…she just shooted in his heart, when she told in very stupid way that she didnot promise any transplantation and it is too late… just he spent so much time in all this hated by him hospitals in place of life and still they just used up his precious time…

    About last dream…I mean that he wished to go to India…to stay there, to die in Paradise…as he told…

    Katerina

  9. Kokni says:

    So sad it all…was too late all this time…and i am sorry too, to late too ..
    to late to late…

    thanks for info, i did not know many things..

    Will meet him there one day…

  10. Os comentários no Porto24 são aprovados imediatamente, mas são, posteriormente, avaliados pela redacção. Apagámos (e apagaremos sempre) todos os comentários que continham linguagem grosseira ou insultuosa, que tinham carácter criminal e que punham em causa a dignidade, a vida privada e o bom nome quer da pessoa a quem o nosso colunista dedicou este artigo, quer da sua família. O Porto24 vê-se obrigado a fechar os comentários a este artigo, lamentando não o ter feito antes.

  11. David Pontes says:

    Porque alguns dos comentários que aqui foram publicados ultrapassaram o mais elementar bom-senso, gostava de deixar bem explicito que a minha crónica pretende ser um retrato da faceta pública do António Júlio. Foi essa que enquanto jornalista e habitante da cidade do Porto eu conheci e só sobre essa eu poderia escrever.

  12. Ricky says:

    Deviam homenagear quem, realmente praticou o bem.Se é que sabem o que isso é.Há por ai tanta gente que merece muito mais a vossa atenção,mas enfim…Continuem a valorizar as excentricidades e futilidades deste senhor e criem uma estátua do mesmo,já que depois de morto se tornou numa espécie de Deus.E agora parem lá com isto que já enjoa.Ele já se foi,por isso,não comemtem mais nada.Deixem lá que quando morrermos também seremos boas pessoas!!!Que tristeza!!!

Comments are closed.

Opinião

No Porto24, contamos as histórias que fazem o dia-a-dia do Grande Porto. A nossa missão é ser também um espaço de reflexão e debate. A Opinião é uma plataforma animada por um conjunto de intervenientes e observadores atentos da cidade, que escrevem com regularidade.