Image de Amor Empreendedor

Foto: Arq/Ana Isabel Pereira

31 Mar 2014, 11:10

Texto de

Opinião

Amor Empreendedor

,

Em cinco anos a acompanhar projectos e empresas criativas no UPTEC (Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto), fui-me apercebendo de um facto bem curioso: muitas das equipas que integram os projectos empresariais com que me vou cruzando são constituídas por jovens casais.

Imagem de perfil de Fátima São Simão

Fátima São Simão nasceu no Porto, onde se licenciou em Economia pela Faculdade de Economia do Porto, e viveu em Itália e no Reino Unido, onde completou o seu Master of Arts em Gestão e Políticas Culturais, na City University of London. Fátima é a responsável pelo Pólo das Indústrias Criativas do UPTEC e gestora executiva do futureplaces.org. Desde 2013, colabora com o projecto Creative Commons Portugal e frequenta o doutormento em Arte e Design, da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.

Embora a situação possivelmente se verifique noutros sectores também, este tal das Indústrias Criativas parece mais favorável ao emparelhamento romântico-empresarial.

É certo que nem todos os percursos são felizes… Um ou outro par acaba por ceder em alguma das frentes. E, ao que parece, nos poucos casos em que vi a ruptura suceder, o vínculo empresarial sobreviveu ao desgosto amoroso. Mas também já vi o contrário. Raro é quebrarem-se os dois. Sinais dos tempos talvez… Ou talvez não, porque, do que tenho observado, são mais os casos de duplo sucesso do que meio embaraço!

Interessante é notar que num universo de 70 projectos criativos que segui, quase 20% dos mesmos, mais do que meros projectos de empresa, eram projectos de vida. Interessante é também perceber que tal fenómeno parece ser realmente mais comum entre empresas criativas. Designers, arquitectos, ilustradores, fotógrafos, engenheiros e até economistas! Quando se associam para construir uma empresa criativa em conjunto, o futuro parece desenhar-se-lhes risonho e rentável.

Porque se a necessidade aguça o engenho, o amor parece aguçar a astúcia e a confiança no negócio a dois! Nem tudo são rosas, lá está. Mas, apesar dos dissabores e dos momentos de exaustão (são muitas horas juntos, a discutir desde estratégias de marketing ao que vão comer ao jantar), o empenho com que estes jovens casais se atiram para o mercado de orçamentos e mãos dadas parece muni-los de uma força sobrenatural.

A dois e por dois, nas agruras da crise, uma nova geração de casais-gerentes altamente empreendedores, qualificados e emocionados procura construir o futuro com amor, inovando na forma como respondem ao mercado e ao coração. Uma espécie de business boomers deste início de século tão hostil aos seus desejos, ambições e sonhos… Ai não se realizam? Pois então, arrisca-se e constrói-se, entre demonstrações de resultados e lençóis.

Admiro-os muito, pela coragem e pelo compromisso mas, acima de tudo, pela inteligência de compreender que se duas cabeças pensam melhor que uma, dois corações sentem melhor do que um cérebro e nem toda a economia tem que ser cinzenta. Sobretudo, nessa tal que é a do empreendedorismo criativo…

Opinião

No Porto24, contamos as histórias que fazem o dia-a-dia do Grande Porto. A nossa missão é ser também um espaço de reflexão e debate. A Opinião é uma plataforma animada por um conjunto de intervenientes e observadores atentos da cidade, que escrevem com regularidade.