Image de Teatro Sá da Bandeira

Foto: Wikimedia Commons

9 Dez 2015, 11:57

Texto de César Santos Silva

Memória

Teatro Sá da Bandeira

,

Muitos se lembrarão ainda dos concertos dados ao domingo de manhã para os estudantes pela orquestra do Norte da Emissora Nacional, dirigida pelo maestro Silva Pereira, com entrada livre.

Imagem de perfil de César Santos Silva

Nasceu na Senhora da Hora em 1962. Bacharel em História, é formador, professor de História do Porto, Portugal e Contemporânea do Mundo em várias universidades seniores. Investigador de temas relacionados com a História do Porto, é colaborador pontual dos “Serões da Bonjoia”, conferencista habitual da Biblioteca Municipal Almeida Garrett e da Fundação Inatel. É autor dos livros “Associação Nun' Álvares de Campanhã – Subsídios para a sua istória História” (2010), “Toponímia Feminina Portuense” (2012), “Passeios pelo Porto” (volumes I e II, 2012 e 2013), “Toponímia de Ramalde – História das Ruas da Freguesia” (2013) e "Na Rota dos Judeus no Porto" (2014). Colabora com a AMAI (Associação para a Medicina, as Artes e as Ideias) e a Mercearia das Flores, orientando visitas guiadas ao Porto.

Teatro Circo, Teatro do Príncipe Real e Teatro Sá da Bandeira, primeiro em madeira e depois de pedra e cal, assim foi evoluindo em nome e forma a sala de espectáculos mais antiga do Porto. Construído em madeira por José Toudon Ferrer Catalon em 1855 para a sua companhia equestre, foi reedificado em pedra por volta de 1860.

Cerca de 1877, aquando da abertura da rua Sá da Bandeira, foi construída a fachada para aquela rua e alterado o nome para Teatro do Príncipe Real. Em 1910, a designação mudou para Teatro Sá da Bandeira. Em 1916, por iniciativa de Arnaldo Moreira da Rocha Brito, António Pimenta da Fonseca e António de Castro, foi o teatro completamente remodelado, tornando-se, segundo a imprensa da época, “um dos melhores e dos mais ostentosos do norte”, com a contribuição do eng. Vítor Hugo José Teixeira e artistas como José Del-Barco, António Enes Baganha, António da Silva Ribeiro e outros.

Em 1895, actuou neste teatro Sarah Bernhardt e, em 1896, Aurélio Paz dos Reis apresentou os primeiros trabalhos cinematográficos feitos em Portugal. Seguir-se-iam, ao longo dos anos, os nomes mais famosos do teatro em Portugal.

O Teatro Sá da Bandeira, antes da degradação que sofreu de há uns anos a esta parte, ao longo da sua existência apresentou vários tipos de espectáculos, como teatro, cinema, circo, ópera, opereta, revista e concertos de música clássica. Muitos se lembrarão ainda dos concertos dados ao domingo de manhã para os estudantes pela orquestra do Norte da Emissora Nacional, dirigida pelo maestro Silva Pereira, com entrada livre.

No Sá da Bandeira, actuaram Palmira Bastos, Lucília Simões, Alves da Cunha, Chaby Pinheiro, António Dias, Amália, Vasco Santana, António Silva, Beatriz Costa, Laura Alves, Ribeirinho, Raul Solnado, Eunice Muñoz e tantos outros.

Abaixo reproduzimos um anúncio do “Theatro Príncipe Real” referente a uma sessão do animatógrapho (sessão de Francisco Pinto Moreira) em 1896 e o programa de 1944 da

Foto: DR

Foto: DR

opereta “A Mulher do Padeiro”.

Foto: DR

Foto: DR

Memória

No Porto24, contamos as histórias que fazem o dia-a-dia do Grande Porto. A nossa missão é ser também um espaço de reflexão e debate. A Opinião é uma plataforma animada por um conjunto de intervenientes e observadores atentos da cidade, que escrevem com regularidade.