Imagem de Matosinhos critica falta de diálogo da Metro sobre serviço 24 horas

23 Set 2014, 21:36

Texto de Redacção, com Lusa

Cidade

Matosinhos critica falta de diálogo da Metro sobre serviço 24 horas

, , ,

O presidente da Câmara de Matosinhos criticou terça-feira a Metro do Porto por ausência de diálogo com os restantes municípios sobre o novo serviço 24 horas no Porto, lamentando que não haja ligação ao centro de Matosinhos.

Durante o período antes da ordem do dia da reunião pública da Câmara de Matosinhos desta terça, o independente Guilherme Pinto considerou que “não pode haver filhos e enteados” e afirmou ser inaceitável que a Metro do Porto tenha colocado em funcionamento um serviço 24 horas nas noites de sexta-feira, sábado e vésperas de feriados que só chega até à estação da Senhora da Hora, não havendo ligação ao centro da cidade.

No final da reunião, em declarações aos jornalistas, o presidente da Câmara de Matosinhos disse estranhar que este novo serviço chegue apenas à Senhora da Hora, garantindo que vai procurar, junto da empresa de transportes, saber “porquê e de que forma” é que “o diálogo relativamente a determinado tipo de serviços e tarefas é apenas parcial”.

“Acho excelente que tenha havido um belo entendimento com a Câmara do Porto mas eu recordo que a região é um bocadinho mais vasta e portanto não faria sentido que o Metro pusesse a funcionar – como pôs – um novo serviço sem consultar os outros municípios que também são servidos pela Metro do Porto”, reiterou.

Guilherme Pinto isenta de quaisquer responsabilidades a câmara liderada pelo também independente Rui Moreira, considerando “mau que o anúncio tenha sido feito envolvendo apenas uma autarquia”.

“A Câmara do Porto andou muito bem. Não tenho nada contra a Câmara do Porto. Quem tem que perceber que tem que se articular com os municípios é a Metro do Porto”, enfatizou, garantindo que a autarquia vai falar com a administração da Metro do Porto.

Na Assembleia Municipal do Porto de segunda-feira, Rui Moreira anunciou que solicitou ao Governo que o serviço de elétricos da cidade fique fora da futura concessão da STCP, já que o pensamento estratégico da autarquia para os elétricos é que estes, para além de serem um modo de transporte, devem fazer parte de uma rede de interesse turístico para a cidade”.

“A Câmara de Matosinhos acompanha-nos nesse pensamento”, afirmou Rui Moreira, avançando estar a ser equacionado “o eventual regresso da Linha 1″ àquele concelho e ao futuro terminal de passageiros de Leixões, em fase final de construção junto ao molhe sul.

Questionado sobre este tema, Guilherme Pinto defendeu que “criminoso foi que a Câmara do Porto nos mandatos do Dr. Rui Rio tivesse levantado toda a linha do elétrico sem dar uma palavra à sua vizinha, a cidade de Matosinhos”.

“Este tipo de atitudes fez que com que durante muitos anos os municípios vizinhos olhassem para o Porto de soslaio porque o Porto antigamente tinha mais tiques centralistas do que Lisboa. Com o Dr. Rui Moreira eu não estou habituado a este tipo de tratamento”, disse.

De acordo com presidente da câmara, “este é um assunto que já tinha sido cogitado”, sublinhando que “é uma mais-valia para um turista que chega poder vir até Matosinhos de elétrico” e por isso nunca devia ter sido suspenso este serviço.

Outros Artigos de Redacção

23 Set 2014, 21:36

O presidente da Câmara de Matosinhos criticou terça-feira a Metro do Porto por ausência de diálogo com os restantes municípios sobre o novo serviço 24 horas no Porto, lamentando que não haja ligação ao centro de Matosinhos.

Matosinhos critica falta de diálogo da Metro sobre serviço 24 horas

23 Set 2014, 21:16

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, comprometeu-se esta terça-feira a salvaguardar aos comerciantes existentes no Mercado do Bolhão o direito de sucessão e transmissão de licenças a familiares.

Rui Moreira compromete-se a salvaguardar ‘bancas de família’ no Bolhão

23 Set 2014, 19:07

A primeira Feira do Livro do Porto organizada pela Câmara em 8 décadas teve mais de 200.000 visitantes, informou esta terça-feira a autarquia, que garantiu que o novo modelo do evento, sem recurso a ‘outsourcing’, é para manter.

Passaram pela Feira do Livro 200.000 pessoas

23 Set 2014, 16:50

O Rivoli vai entrar em obras depois do Natal, e até ao dia 21 de Janeiro. As obras serão para corrigir o palco do teatro portuense, “um investimento público feito que foi destruído pelo La Féria”, recorda o vereador da CDU.

Obras para corrigir palco do Rivoli do Porto agendadas para finais de Dezembro